Televisão

Programas de auditório recebem caravanas do Facebook

Redes sociais são as novas ferramentas para lotar atrações do gênero

Por: Nathalia Zaccaro

Pânico caravana 2273
'Pânico na Band': até 1.500 reais por viagem para ver o programa (Foto: Divulgação)

No último dia 31, a caravanista Paula Bueno saiu de sua casa em Perus, na Zona Norte, e percorreu 70 quilômetros até Arujá, cidade vizinha a Guarulhos. Lá, reuniu quarenta estudantes entre 14 e 20 anos para levá-los à gravação de “Astros”, show de calouros do SBT, em Osasco. Há dezesseis anos ela seleciona pessoas para compor a plateia dos principais programas de auditório da TV. É isso que faz uma caravanista.

Desde o ano passado, no entanto, seu trabalho de recrutamento ganhou novas ferramentas de apoio: as redes sociais. No caso do grupo de duas semanas atrás, por exemplo, mais da metade dos integrantes foi “fisgada” pelo Facebook. Não à toa, o perfil de Paula no site contabiliza mais de 2.500 amigos cadastrados. “Além de ampliar meu número de contatos, a internet ajudou a baratear minha conta de telefone”, afirma a caravanista, que possui 10.000 seguidores no Twitter.

+ RedeTV!: sem motivo para pânico

+ Silvio Santos, o patrão na berlinda

Outro profissional do ramo, Danilo Scatena tem mais de 4.000 contatos no microblog. “Toda semana recebo centenas de mensagens de candidatos de várias cidades do país interessados em acompanhar as gravações”, diz ele, responsável por angariar fãs para o “Pânico na Band”. Um ônibus do Rio de Janeiro com cinquenta lugares ocupados para ir ao estúdio no Morumbi chega a render 1.500 reais de lucro. “Sem a ajuda das redes sociais, minha área de atuação ficaria mais restrita e, com isso, meu faturamento seria menor”, conta Scatena, com dez anos de experiência.

Pânico caravana 2273
No 'Pânico na Band': a caravanista Paula Bueno, com o humorista Ceará (Foto: Divulgação)

O corre-corre virtual para lotar vans faz parte da rotina de cerca de 500 profissionais na capital. Só o SBT soma quase 200 colaboradores empenhados em ocupar seus estúdios. A emissora recebe mais de 2.000 convidados por semana e disponibiliza aos participantes uma sala de espera, onde são fornecidos lanches e informações — como a proibição ao uso de celular e os momentos adequados para aplaudir durante as gravações.

Na maioria dos casos, os pretendentes às vagas pagam de 10 a 30 reais aos caravanistas. Algumas empresas, como o SBT e a Band, destinam uma comissão de cerca de 200 reais por ônibus aos recrutadores. Entre as duas fontes de rendimento, é possível faturar até 8.000 reais em um único mês.

Caravana 2273
Turma de Arujá: o contato pela internet levou quarenta pessoas ao 'Astros' (Foto: Fernando Moraes)

Mesmo com todas as facilidades proporcionadas pelo mundo virtual, o serviço tem seus desafios. “É fácil encher um ônibus para o “Altas Horas” (da Globo). Difícil é convencer cinquenta pessoas a acordar às 6 da manhã para participar do "Quem Fica em Pé, da Band”, diz Elisabete Alves, que reúne 300 pessoas, em média, por semana. Ainda assim, os interessados não são sempre bem-vindos: cada programa tem um perfil bem específico de público. “Ao ‘Viola, Minha Viola’, da TV Cultura, eu só levo pessoas com cerca de 60 anos. Já para ‘O Melhor do Brasil’, da Record, preciso ir em busca de adolescentes”, compara.

O campeão de preferência é o “Programa Silvio Santos”, do SBT, que aceita apenas mulheres na plateia. “Não existe emoção maior do que pegar dinheiro da mão de Silvio”, afirma a aposentada Marlene Hernandes, de 72 anos, e frequentadora de auditórios há três décadas.

Silvio Santos 2273
Silvio Santos vem aí: a plateia 100% feminina tem assentos disputados (Foto: Divulgação)

Além da faixa etária, outros atributos contam na hora de selecionar a galera. “Sempre peço às meninas que venham de salto alto”, diz Paula, que ainda carrega um kit de maquiagem a tiracolo para um retoque de última hora durante o trajeto. “Prezamos a animação e a beleza”, explica Gonçalo Roque, diretor de auditório do SBT.

+ Dez coisas irritantes que o Facebook herdou do Orkut

+ Especialistas em internet dão dicas para usar as redes sociais

Para cumprir os requisitos, os recrutadores costumam dar uma “fiscalizada” nos álbuns de fotos do... Facebook.

Caravana 2273
Sala de espera do SBT: orientações antes de entrar no estúdio (Foto: Fernando Moraes)

PARA DENTRO DA TV

Como participar dos programas de auditório por conta própria

SBT

Tel.: 3687-3803

O mais procurado é o “Programa Silvio Santos”. Outros que fazem sucesso são o “Astros” e o “Programa do Ratinho”. A emissora oferece sanduíche e refrigerante aos participantes.

CULTURA

Tel.: 2182-3222

“Viola, Minha Viola” e “Sr. Brasil” são os preferidos entre o público em torno de 60 anos. “Manos e Minas” aborda temas como rap e atrai jovens.

GLOBO

Tel.: 4002-2884

O almoço servido ao público está entre os atrativos do “Domingão do Faustão”. Para os programas de Jô Soares e Serginho Groisman, a emissora busca universitários.

RECORD

Tel.: 3300-4715

O mais desejado é “O Melhor do Brasil”, com Rodrigo Faro. O “Programa do Gugu” atrai público de idade mais avançada e o talk-show de Roberto Justus é o menos disputado.

BAND

Tel.: 3131-4116

“CQC” e “Pânico” vivem lotados de adolescentes, e o “Quem Fica em Pé?”, com José Luiz Datena, é a escolha entre participantes mais velhos.

RedeTV! Tel.: 3153-5000

As apresentações musicais de Hebe Camargo fazem sucesso. Quem gosta de Luciana Gimenez pode encontrá-la no “SuperPop”, gravado ao vivo às segundas-feiras.

Fonte: VEJA SÃO PAULO