RESTAURANTES

Cantinas para saborear uma boa macarronada

Para quem curte uma bela massa, selecionamos 25 endereços que servem pratos em porções fartas e mergulhados em molho seguindo a tradição paulistana

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Osteria del Pettirosso
Osteria del Pettirosso: tonnarelli cacio e pepe (Foto: Tadeu Brunelli)

O paulistano adora se reunir em torno de um prato de massa. Prova disso são as looongas filas que se formam em frente às cantinas, caso da famosa Famiglia Mancini, no centro, onde só é possível comer sem esperar durante horas antes das 13h. 

+ Os polpettones campeões da cidade

A lista de boas opções espalhadas pela cidade é extensa. Vale explorar casas com diferentes características, de ambientes antiguinhos ou modernos, em busca da "macarronada perfeita". Confira 25 endereços divididos por região:

CENTRO/ZONA NORTE

Antonietta Empório e Restaurante: vizinha do Cemitério da Consolação, a cantina movimenta a Rua Mato Grosso. Sem invencionice, o ravióli caprese recheado de mussarela ao molho de tomate-cereja e manjericão agrada e custa R$ 46,00.

Cantina D'Angelo: tem cara de domingo em família a refeição composta de berinjela à parmigiana (R$ 32,00) seguida de espaguete ao molho de vôngole (R$ 61,00) ou ao brócolis com bastante alho (R$ 43,00).

Roma Ristorante: o ambiente segue a linha classuda e antiga. Entre as receitas, aparece o nhoque de batata ao sugo acompanhado de braciolas saborosas.

Roperto: nascida há mais de setenta anos, a casa é uma das mais antigas e concorridas cantinas do Bixiga. Durante o jantar ou no almoço dos fins de semana, músicos passeiam entre as mesas entoando canções italianas. O fusilli mergulhado no molho parisiense,  frango, presunto e ervilhas no bechamel, custa R$ 94,00.

Famiglia Mancini: no primeiro e mais concorrido dos restaurantes aberto pelo empresário Walter Mancini na Rua Avanhandava, os gigantescos pratos seguem como a atração — não adianta ir sozinho, porque as porções são todas para partilhar. Boa pedida cantineira, o fettuccine fresco à isquia leva molho de tomate pedaçudo e lascas de bacalhau (R$ 152,00). 

Jardim de Napoli: é daqueles restaurantes tão famosos na cidade que mesmo quem nunca pôs os pés no salão tem a sensação de conhecer a “Casa do Polpettone”. O bolão de carne chega à mesa macio, envolto em molho de tomate com mais queijo parmesão (R$ 60,00). Para acompanhar, escolha o espaguete à napolitana (R$ 46,00), com tomate e azeitona. 

ZONA SUL

Bellosguardo: cantina confortável em Moema, estampa em quadros na parede a sua história. Sempre em porções para dois, os pratos têm preços razoáveis. Para começar, não deixe de pedir a berinjela à parmigiana (R$ 27,90). Ao molho bolonhesa, o fusilli feito lá mesmo sai por R$ 67,10.

Don Pepe Di Napoli: esta pequena rede de cantinas nasceu em Moema. Pôsteres de comilões em preto e branco decoram o ambiente, comumente visitado por enormes grupos em busca de pratos fartos. É batizado de francesco paolo o espaguete ao molho de tomate em pedaços, azeitona preta mais cubos de filé-mignon e berinjela.

Friccò: a casa da Vila Mariana  atrai pelos frios feitos ali mesmo. A porção pequena de frios como salame e bresaola custa R$ 25,00. Entre as pedidas fixas do cardápio há, por exemplo, uma berinjela à parmigiana acompanhada de penne ao molho de agrião (R$ 49,50). 

Innominato Osteria: italiano de bairro, que fica na Vila Mariana. Boa opção de massa recheada, a mezzaluna verde de mussarela de búfala gratinada com molho vermelho e fatias do mesmo queijo sai a R$ 45,10. Também encanta o simples couvert: além de pão italiano fresquinho, chegam à mesa torradas de alho, berinjela no azeite, abobrinha frita e alichela.

ZONA LESTE

La Pergoletta: fundada no Tatuapé, a cantina querida pelos moradores da Zona Leste serve porções fartas para dois, como o saboroso espaguete artesanal com camarões, catupiry, presunto cru e alcachofra (R$ 145,00). Igualmente bom, o mesmo crustáceo com alho, azeite, tomate fresco e manjericão com penne ao pomodoro custa R$ 128,00. 

ZONA OESTE

Brasiliani: sem afetações, o salão de esquina na região da Lapa com televisão ligada nos jogos de futebol faz qualquer um se sentir em casa. A boa e fumegante lasanha à bolonhesa chega à mesa com bastante molho (R$ 40,00).

Bráz Trattoria: lindos janelões mais o pé-direito alto e a decoração industrial diferenciam o visual da cantina pertencente à pizzaria Bráz, instalada na cobertura do Shopping Cidade Jardim. Valorizada por ricota defumada e berinjela, a massa alla norma sai por R$ 48,00.

+ Sete locais para comprar ótimos cortes de carne

Buttina
Sugestão de prato principal do Buttina: espaguete com verduras e azeite (Foto: Divulgação)

Buttina: uma das boas trattorias da cidade, funciona na antiga residência do casal de proprietários, Filomena Chiarella e José Otávio Scharlach, em Pinheiros. Uma das receitas criadas por Filomena, a Filó, é um sucesso: o espaguetine fresco de cacau ao molho de mascarpone e presunto cru (R$ 52,00). 

Cantina do Piero - il Vero: uma verídica cantina, a casa dos Jardins não se preocupa com a leveza dos pratos. Trata-se de um endereço para provar receitas substanciosas, cheias de queijo e bacon. Para uma massa com molho vermelho, escolha o rigatoni à matriciana (R$ 94,50), temperado com salsinha, orégano, alho, manjericão e, claro, bacon.

Jamie’s Italian
Fettuccine ao molho de cogumelo porcini com queijo mascarpone e vinho branco (Foto: Arnaldo Lorençato)

Jamie’s Italian: todo o cardápio, aprovado pelo chef-celebridade Jamie Oliver é supervisionado no dia a dia pelo sócio e chef executivo Lisandro Lauretti. Formam-se filas para provar o seu ótimo tagliatelle à bolonhesa finalizado com farofinha de pão amanhecido temperada com ervas (R$ 42,00) em um bonito ambiente.

La Pasta Gialla: nascida numa esquina do Itaim Bibi, a casa de ambientação rústica do restaurateur Sergio Arno se espalhou pela cidade em outras seis unidades. As massas de fabricação própria dominam a ala de pratos principais, em porções individuais bem fartas. Coberto de molho de tomate, pesto e creme de queijos, o tagliatelle custa R$ 46,40.

Lellis Trattoria: é neste endereço que se encontra o fundador da marca, o baiano João Lellis — a outra casa de nome idêntico, na Alameda Campinas, foi vendida por ele em 1987. Generosas, as massas costumam servir mais de duas pessoas. O penne à moda da casa coberto por um molho rústico de tomate, cubos de carne, tomate seco e mussarela de búfala derretida custa R$ 123,00. 

Maremonti Trattoria & Pizza: originalmente uma pizzaria, a rede Maremonti ampliou signifcativamente o horizonte de seu cardápio depois que foi comprada pelo empresário Arri Coser. Na faceta trattoria, em ambiente agradável, apresenta massas caprichadas, como a clássica lasanha à bolonhesa (R$ 63,00), em uma versão parecida com a que se come na Itália. 

Nello's: nostálgica casa de Pinheiros. O cardápio aprovado pelo falecido fundador Nello Roberto de Rossi é supervisionado hoje em dia pelo olhar atento de sua mulher, dona Rina. Para uma massa saborosa e mergulhada em molho branco, peça o nhoque que leva o nome da proprietária. Feito com ricota de búfala e espinafre, ele chega à mesa gratinado, por R$ 37,00.

Osteria del Pettirosso: a cozinha do chef romano Marco Renzetti está cada vez mais refinada. Avesso às adaptações de receitas, tratou de erguer uma trattoria tradicional, que abocanhou o prêmio de melhor da cidade na última edição do especial VEJA COMER & BEBER. O foco está nos pratos de sua cidade natal, como o nhoque alla romana feito de semolina ao molho de queijo pecorino e sálvia fresca (R$ 54,00). 

Pasquale
Pasquale: rigatoni valorizado por molho de linguiça e cogumelo seco, salpicado de ricota defumada (Foto: Ligia Skowronski)

Pasquale: aos 71 anos, o chef Pasquale Nigro, italiano de Minervino Murge, na Puglia, não se acomoda. Seu entusiasmo se reflete em massas bem executadas em sua casa em Pinheiros. Ponto alto, a paleta de cordeiro com osso chega úmida e muito macia na companhia de brócolis e rigatoni (R$ 66,00), como sempre, al dente. 

Spadaccino: os irmãos Paula e Roberto Lazzarini cuidam pessoalmente dessa trattoria, que é um dos bons endereços da fervilhante Vila Madalena. O strozzapreti (R$ 43,00), massa curta, semelhante ao fusilli e feita com ervas, linguiça picante e lula, entusiasma mais do que o nhoque spadaccino (R$ 35,00).

Taormina: nesta acolhedora casa dedicada apenas aos almoços, há sempre um menu completo com antepasto, prato principal, fruta de sobremesa e café acompanhado de um delicioso cannolo, o único item que permanece fixo na sequência. Na seleção de receitas escaladas, podem aparecer o fusilli ao molho de calabresa com ricota seca defumada. De segunda a quinta, custa R$ 49,90 ou R$ 52,90 (massa recheada); na sexta, R$ 49,90, R$ 52,90 ou R$ 54,90 (com frutos do mar); aos sábados, domingos e feriados, o preço sobe para R$ 73,90.

Zena Caffè: embora quase nunca esteja na cozinha, Carlos Bertolazzi mantém uma equipe afinada que consegue resultados bem acima da média nesta trattoria. São boas as massas como o tagliatelle com um parrudo ragu de cordeiro (R$ 54,00) e o caramelle de caprino, com massa de beterraba recheada de queijo de cabra na manteiga e sálvia (R$ 52,00). 

+ Onze lugares para comer filé à parmigiana

Fonte: VEJA SÃO PAULO