Abastecimento

Primeira reserva do Cantareira pode secar em 57 dias, diz secretário

Mauro Arce afirmou que primeira cota do volume morto deve durar até o dia 21 de novembro

Por: VEJA SÃO PAULO - Atualizado em

Sistema Cantareira edição 2374
O governo conta com uma segunda parte da reserva das represas para manter o abastecimento da Grande São Paulo (Foto: Luis Moura / Estadão Conteúdo)

O secretário de Saneamento e Recursos Hídricos, Mauro Arce, disse nesta quinta-feira (25) que a primeira cota do volume morto do Sistema Cantareira deve durar até o dia 21 de novembro, se o índice de chuvas na região dos reservatórios permanecer como está.

+ Integrantes do MTST fazem protesto em frente à Sabesp

O governo Geraldo Alckmin (PSDB) conta com uma segunda parte da reserva das represas para manter o abastecimento na Grande São Paulo até março do ano que vem sem adotar racionamento oficial de água.

"Nós agora temos um segundo volume que estamos preparando para usar. Vamos adiar o máximo", disse Arce, sobre os 106 bilhões de litros adicionais da reserva que a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) pretende utilizar.

+ Volume morto: tire suas dúvidas sobre a qualidade da água

"Se continuar assim, vamos liberar no dia 21 de novembro", completou o secretário, que participou de uma visita ao Parque Várzeas do Tietê, na zona leste de São Paulo, ao lado de Alckmin. O uso do segundo volume morto ainda não foi liberado pelos órgãos reguladores do manancial.

Nesta quinta, o nível do Cantareira chegou a 7,4% da capacidade, o mais baixo da história. Restam hoje nos cinco reservatórios que formam o manancial 72,2 bilhões de litros da primeira cota do volume morto, de 182,5 bilhões, que começou a ser bombeada no dia 31 de maio.

Alckmin tem apostado na próxima temporada de chuvas, que vai de outubro a março, para aliviar a crise de abastecimento e recarregar as represas. Para ele, há chances de não precisar utilizar a segunda cota do volume morto.

+ Confira as últimas notícias da cidade

"Nós estamos preparados. Mas talvez nem precise da chamada da segunda reserva técnica", disse o tucano, que havia descartado retirar mais água da reserva há três meses. (Estadão Conteúdo)

Fonte: VEJA SÃO PAULO