Crise hídrica

Após chuvas, nível do Cantareira fica estável e do Guarapiranga cai

Reservatório opera com 7,3% de sua capacidade, contando as duas cotas do volume morto. Há um ano o índice era de 27,5%

Por: VEJA SÃO PAULO

Sistema Cantareira edição 2374
Sistema Cantareira: nível ainda baixo apesar das chuvas (Foto: Luis Moura / Estadão Conteúdo)

Após as chuvas intensas que atingiram São Paulo, o nível do Sistema Cantareira manteve-se estável em 7,3% nesta segunda (29), segundo balanço da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

+ Parque do Ibirapuera é fechado após queda de árvores

+ Chuvas causam acidentes e derrubam mais de 100 árvores

O reservatório, que é responsável por abastecer 6,5 milhões de pessoas, operava com 27,5% de sua capacidade no mesmo período de 2013. O cálculo atual já leva em conta as duas cotas do volume morto acrescentadas em maio e outubro deste ano.

Outro sistema que também continuou estável de domingo para segunda foi o Alto Cotia, que está com 31,6% e abastece 400 000 pessoas.

O Guarapiranga, que atende 4,9 milhões de habitantes, teve queda no volume armazenado, de 40,8% para 40,5%. Há um ano estava em 70%.

O nível de armazenamento do Alto Tietê, já considerando os 39,4 bilhões de litros do volume adicional bombeado da represa Ponte Nova desde 14 de dezembro, interrompeu a trajetória de altas consecutivas e caiu de 12,1% para 12%. O reservatório abastece 4,5 milhões de pessoas.

Já os reservatórios do Rio Grande e Rio Claro registraram alta de 3 e 1 ponto percentual e operam, respectivamente, em 71,9% e 33,5%.

Fonte: VEJA SÃO PAULO