ABASTECIMENTO

Cantareira completa 41 dias de aumento no volume de água

Reservatório, que abastece 5,2 milhões de pessoas na Grande São Paulo, opera com 32,9% de sua capacidade

Por: Estadão Conteúdo

Cantareira
Cantareira: chuvas constantes têm ajudado a recuperar o manancial (Foto: Denny Cesare/Codigo19/Folhapress)

Considerado o principal sistema hídrico de São Paulo, o Cantareira registrou mais uma alta no volume armazenado de água e completou 41 dias só com aumentos, segundo relatório da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), divulgado nesta terça-feira, 12. O nível de todos os outros mananciais também subiu, exceto o do Rio Claro.

+ Chuvas e diminuição do consumo fazem Cantareira sair do sufoco

Responsável por abastecer 5,2 milhões de pessoas na capital e na Grande São Paulo, o Cantareira subiu 0,3 ponto porcentual. Os reservatórios do sistema operam com 32,9% da capacidade, ante 32,6% no dia anterior, de acordo com o índice tradicionalmente divulgado pela Sabesp, que considera o volume morto como se fosse volume útil do manancial.

Com a nova alta, o Cantareira completou 41 dias registrando aumentos consecutivos. A última vez que o manancial ficou estável foi em 2 de dezembro, com 19,6%. No período, o sistema subiu 13 pontos porcentuais. Já a última queda foi em 22 de outubro, quando os reservatórios caíram de 15,7% para 15,6%.

Outros fatores, como a diminuição da retirada de água do sistema pela Sabesp, o racionamento e a redução do consumo, ajudam a explicar a recuperação gradual do Cantareira, que saiu do volume morto no final de 2015. A situação do sistema, no entanto, ainda é considerada crítica. Segundo o índice que calcula a reserva profunda como volume negativo, o manancial está com apenas 3,6% da capacidade. Já o terceiro índice está em 25,4%.

Outros mananciais

Atual responsável por atender o maior número de clientes da Sabesp (5,8 milhões), o Guarapiranga teve queda no volume. Os reservatórios estão com 84,7%, ante 85,8% no dia anterior.

O Alto Tietê subiu 0,6 ponto porcentual, passando de 26,4% para 27%, já considerando um volume morto acrescentado ao cálculo no final de 2014.

O Alto Cotia e o Rio Grande subiram 1,8 e 0,8 ponto, respectivamente, e operam com 95,3% e 97,3%. Rio Claro subiu 0,1 e está com 76,2%.

Fonte: VEJA SÃO PAULO