Comportamento

Mulheres odeiam “cantada de pedreiro”, comprova pesquisa

Apesar da fama, trabalhadores da construção civil afirmam que preferem admirar as paulistanas em silêncio

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

paulista ciclovia obras
Trabalhadores da construção civil em São Paulo afirmam que respeitam as mulheres (Foto: Fernando Moraes)

A maioria das brasileiras odeia ser assediada nas ruas. A afirmação foi comprovada por pesquisa realizada pelo Instituto Data Popular, que entrevistou homens e mulheres em 120 cidades. Entre as participantes, 89% disseram que consideram um insulto a “cantada de pedreiro”, forma como essa prática ficou conhecida nacionalmente.  Do outro lado, 41% dos homens entrevistados acreditam que elas gostam quando são chamadas de “gostosa” em via pública.

+ Sem avisar, Acre envia haitianos para São Paulo

Apesar da fama, os trabalhadores da construção civil de São Paulo afirmam que não são adeptos dessa prática. Operário em uma obra na Avenida Luís Carlos Berrini, Antônio Luís diz que prefere admirar as mulheres em silêncio durante o trabalho. “Como vou pensar em falar com ela se a minha roupa está toda suja?”

+ População do estado chegará a 43 milhões neste mês

Luís destaca que, muitas vezes, não percebe a presença de uma mulher durante o expediente. "Estou aqui trabalhando. Então, não tenho muito tempo pra ficar me distraindo com outras coisas."

Já o servente de pedreiro Aldair Lima fica revoltado com fama que a profissão conquistou. “Dizem que nós aqui da obra ficamos mexendo com as mulheres, mas não é bem assim. Na verdade, eu até acho um desrespeito”, explica o funcionário de uma construção na Avenida Brigadeiro Faria Lima.

Confira as últimas notícias da cidade

Lima diz que não costuma paquerar durante o horário de serviço. Afinal, ele sabe que a atitude não agrada. “A mulherada não gosta disso. Temos que ter mais respeito por elas.”

Fonte: VEJA SÃO PAULO