Gastronomia

Cannoli entra no cardápio de vários restaurantes da capital

Sobremesa típica da Sicília, os canudos de massa frita preenchidos por creme de ricota fazem sucesso no cardápio de casas bacanas

Por: Sophia Braun

Aberto em fevereiro, o restaurante italiano MoDi, em Higienópolis, costuma registrar espera de quarenta minutos por uma mesa. Mais difícil do que sentar, porém, pode ser provar uma das trinta unidades de cannoli (ou cannolo, no singular) preparadas diariamente — que não raro acabam rapidinho. Na irresistível receita do chef e sócio Diogo Silveira, os tubinhos de massa frita recheados de ricota típicos da Sicília, pequena ilha no sul da Itália, são preenchidos com uma mistura de queijos de cabra e de búfala, açúcar de confeiteiro e raspas de limão-siciliano. “Como esse creme é muito perecível, faço uma quantidade pequena para não sobrar”, justifica.  

 

O MoDi engorda a cada vez mais extensa lista de restaurantes que oferecem versões do quitute, até alguns anos atrás presente em pouquíssimos cardápios. No Ella., em Pinheiros, a sobremesa também faz sucesso desde a abertura, em março de 2013. “Representa um terço do consumo mensal de doces”, estima o proprietário Alexandre Romano. Ali, o creme é feito só com ricota de búfala mais calda de laranja, passas ao rum e pistache.

Desde 2011, o chef Carlos Bertolazzi oferece a guloseima com frutas cristalizadas e lascas de chocolate no Zena Caffè, no Jardim Paulista. “O cannolo tem a vantagem de aceitar bem as variações”, explica. No começo, seus cilindros eram fornecidos pelo confeiteiro Alexandre Leggieri, que ajudou a dar visibilidade à receita com a abertura da Cannoleria Casa di Dante, na Consolação, há três anos.  

Um dos primeiros a levar o doce para o menu foi o Taormina, no Jardim Paulista. Há catorze anos, a fórmula fixa de almoço inclui um cannolo em tamanho míni para escoltar o café. “As pessoas me telefonam de todas as partes para fazer encomendas”, conta a proprietária Helena Maria Zamperetti Morici, que se prepara para abrir uma rotisseria anexa ao restaurante. Ela usa ricota de ovelha, frutas cristalizadas e raspas de laranja para decorar. 

Alguns dos estabelecimentosque servem a guloseima:

Benedictine: ricota, mascarpone, pistache e cereja para enfeitar (R$ 18,00).

Ella.: ricota de búfala, calda de laranja, uva-passa ao rum e pistache (R$ 14,00).

La Frontera: tubo com ricota, laranja cristalizada e raspas de limão-siciliano (R$ 15,00) para mergulhar em creme de chocolate.

MoDi: mistura queijos de cabra e de búfala com raspas de limão-siciliano (R$ 11,00).

Taormina: ricota de ovelha, frutas cristalizadas e raspas de laranja (R$ 7,50 o grande).

Zena Caffè: com ricota, frutas cristalizadas, lascas de chocolate e pistache (R$ 18,00).

Fonte: VEJA SÃO PAULO