Perfil

Tiago Machado: os dedos mais ágeis do Brasil

Campeão nacional de digitação de SMS, o paulistano de 21 anos representou o país na etapa mundial, em Nova York

Por: Catarina Cicarelli

Tiago Machado - digitador 2202
Tiago Machado: terceiro lugar no mundial de digitação de mensagens de celular (Foto: Fernando Moraes)

Desde os 13 anos, quando ganhou seu primeiro celular, o economista recém-formado Tiago Machado descobriu que podia se comunicar de maneira bem mais rápida e barata com os amigos por mensagens de texto, o SMS. Nos primeiros meses, mandava setenta torpedos por dia. Hoje, aos 21, ele ostenta o título de o digitador de SMS mais rápido do Brasil. É dele o atual recorde nacional: 202,74 caracteres por minuto, ou cerca de três caracteres por segundo. Após ficar por dois anos entre os dez primeiros colocados, Tiago conseguiu vencer o campeão do ano passado, o professor de informática carioca Marcondes Alves, de 21 anos, no concurso LG Mobile Worldcup 2010, e os dois foram juntos defender o Brasil na etapa mundial do evento, que ocorreu na última quarta-feira (26), em Nova York. A dupla ficou em terceiro lugar. As campeãs foram as irmãs panamenhas Cristina e Jennifer Sales, de 20 e 15 anos, respectivamente. “A gente estava tão focado que nem percebeu quando saiu o resultado. Foi um terceiro lugar com gostinho de primeiro”, comemora Tiago. Cada participante escreve em sua língua de origem palavras e frases que aparecem em um monitor. Não é preciso digitar acentos e pontuações. Palavras erradas devem ser redigitadas. “Antes da competição eu digitava mais rápido, mas também errava muito. Agora prefiro ser mais devagar e acertar na grafia”, conta.

Tiago passa pelo menos duas horas e meia por dia treinando. Sua especialidade é o teclado alfanumérico, aquele no qual três ou quatro letras são obtidas em apenas uma tecla, que deve ser apertada várias vezes. Marcondes, por sua vez, domina melhor o QWERTY, teclado semelhante ao utilizado nos computadores. Amigos e familiares de Tiago tiveram de se adequar ao seu modo de se comunicar. “Minha avó, de 61 anos, também aprendeu a mandar SMS”, diz ele, reclamando da pouca agilidade dela. “Fico agoniado de ver pessoas digitando muito devagar.”

P.S.: Tiago levou três minutos e quinze segundos para digitar no celular este texto que você acabou de ler.

Fonte: VEJA SÃO PAULO