Solidariedade

Feiras da cidade vão distribuir folhetos sobre o câncer de mama

De 24 a 30 deste mês, comerciantes de 350 mercados de rua e de locais como o Ceagesp farão campanha para alertar população

Por: Claudia Jordão

Campanha contra câncer de mama nas feiras
A designer Vanessa Benute recebe um informativo de Valéria Baraccat (à dir.), do Instituto Arte de Viver Bem: esforço para a prevenção (Foto: FERNANDO MORAES)

Além de ser o momento para encher a sacola de frutas, ir à feira trará uma boa oportunidade para se engajar numa causa importante. De 24 a 30 deste mês, comerciantes de 350 mercados de rua na capital e de locais como a Companhia de

Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) vão distribuir 500.000 folhetos informativos sobre o câncer de mama. Organizada pela ONG Instituto Arte de Viver Bem, a campanha também visa à arrecadação de 35.000 reais, montante que será revertido para projetos da entidade como a capacitação de profissionais para a operação de mamógrafos (aparelho que realiza a mamografia, o principal exame para a detecção de tumores nos seios). Para isso, estarão disponíveis 5.000 cofres nos quais as pessoas poderão depositar 1 real. “A ideia é que até os mais humildes participem”, diz Valéria Baraccat, fundadora do instituto, criado há dois anos.

+ Treze monumentos que você vê todo dia e talvez não conheça

+ Cinco regras básicas para não errar no almoço de negócios

A iniciativa não é a única a jogar luz nessa causa. Em São Paulo, há várias outras instituições preocupadas com o assunto (veja a lista abaixo). O Outubro Rosa, por exemplo, é um movimento internacional (nasceu em 1997 nas cidades de Yuba e Lodi, na Califórnia, Estados Unidos) e acontece há onze anos no Brasil, sempre nesta época do ano. Comandado no país pela Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama), prevê uma série de eventos, de palestras sobre o tema à iluminação de monumentos com o objetivo de alertar para a importância da mamografia — um direito previsto em lei para mulheres acima dos 40 anos.

Na metrópole, a Ponte Estaiada Octavio Frias de Oliveira, no Brooklin, é um dos locais que vêm sendo decorados com tons de rosa desde o início do mês. “Infelizmente, ainda há muitas pessoas que não fazem o exame por medo do diagnóstico”, afirma Maira Caleffi, presidente da Femama. O ano de 2011 fechará com o registro de 49.240 novos casos no Brasil (5.760 só na cidade). Quando a doença é detectada ainda no início, as chances de cura são de quase 100%. A luta das entidades é para que todas as mulheres façam a prevenção, ajudando a reduzir esses números.

REDE DE AJUDA

Algumas entidades que trabalham na luta contra a doença

Instituto Arte de Viver Bem

Rua Irmão Justino Luiz, 51, Ipiranga (O Arte de Viver Bem está de mudança e terá nova sede a partir de novembro)

Tel: 5052-2323

www.artedeviverbem.com.br

Instituto Avon

Avenida Interlagos, 4300, Interlagos

Tel: 0800 7082866.

www.institutoavon.org.br

Instituto Espaço Vida

Rua José Jannarelli, 199, conjunto 55, Vila Progredior

Tel: 3721-5317.

www.espacodevida.org.br

Instituto Neo Mama

Avenida Coronel Joaquim Montenegro, 345, Ponta da Praia, Santos, SP

Tel: (13) 3223-5588.

www.neomama.org

Instituto Se Toque

Avenida São Gabriel, 180, 4º andar, Jardim Paulista, São Paulo, SP,

Tel: 3791-0140.

www.setoque.org.br

Unaccan – União e Apoio no Combate ao Câncer de Mama

Rua Honduras, 629, Jardim Paulista, São Paulo, SP,

Tel: 3051-6060.

www.unaccam.org

Fonte: VEJA SÃO PAULO