Exposições

"Convite à Viagem": caldeirão de talentos no Itaú Cultural

Mostra do programa Rumos traça novo mapa da produção emergente

Por: Jonas Lopes

Imagem, instalação de Thiago Honório - Exposições 2257
Imagem, instalação de Thiago Honório: visitante se enxerga com cabeça de estátua de roca do século XVIII (Foto: Edouard Fraipont)

Fonte de revelações da arte brasileira, o programa bienal "Rumos Artes Visuais", do Itaú Cultural, apresenta sua mais recente seleção. Doze curadores, coordenados pelo crítico Agnaldo Faria, viajaram país afora para mapear o melhor da produção atual. Do total de 1.770 nomes inscritos, restaram 45 artistas. Convite à Viagem reúne 126 obras deles, em suportes variados. Nem a ausência de um tema central forte atrapalhou o bom resultado da montagem, valorizada pela eficiente cenografia de Marta Bogéa, labiríntica sem ser confusa.

+ Dez exposições que não dá para perder

+ Cultura indiana em cartaz no CCBB

+ Onde comer quando você for ao teatro, cinema ou exposição

Logo no início do percurso, Thiago Honório intriga o espectador com a instalação "Imagem". Nela, a cabeça de uma estátua de roca do século XVIII está num cubo de vidro, sobre um espelho. O visitante enxerga seu corpo com outro rosto. Ironia é a arma escolhida por Isabel Ramil no vídeo "Coca-Cola Êra-Êra", no qual uma mulher aparece nua atrás de uma cerca, enquanto o som transmite a narração de um rodeio.

Há ótimos resultados também na pintura. Regina Parra aborda os limites da representação visual ao criar a partir de cenas captadas por câmeras de segurança, enquanto Fábio Baroli impressiona pela técnica na série "Sujeito da Transgressão", inspirada no conceito de voyeurismo. Thiago Martins de Melo, por sua vez, retrata a si mesmo em um sonho surreal no caótico óleo "A Herança de Inoco ou a Cama de Ulisses".

AVALIAÇÃO ✪✪✪

Fonte: VEJA SÃO PAULO