Acessibilidade

Cadeirante se arrasta em escada para embarcar em avião

Katya Hemelrijk da Silva tem doença rara que deixa os ossos frágeis; apesar do caso, ela não pretende processar a Gol

Por: VEJA SÃO PAULO

katya cadeirante gol
Katya preferiu subir o avião sozinha, arrastando-se pela escada (Foto: Reprodução / Facebook)

Coordenadora de comunicação de uma grande empresa de cosméticos, a cadeirante Katya Hemelrijk da Silva, de 38 anos, precisou se arrastar por uma escada para subir em um avião da Gol na madrugada de segunda-feira (1). O caso aconteceu em Foz do Iguaçu, no Paraná, quando ela retornava com o marido para São Paulo, onde moram. Apesar do problema, ela afirma que não processará a companhia aérea. Para ela, o caso que ganhou destaque nas redes sociais deve servir de aprendizado para que situações semelhantes não ocorram novamente.

+ Pelé deixa a UTI, mas continua tratamento com antibióticos

Katya tem osteogenisis imperfeita, doença conhecida como ossos de vidro, porque se quebram com facilidade. Quando soube que não havia os equipamentos necessários para que ela pudesse subir na aeronave, a coordenadora preferiu seguir sozinha, com a ajuda das mãos. "De fato é uma situação constrangedora e desnecessária. Por isso, pedi para ser a última a embarcar, assim não teria tanta 'plateia' e poderia subir mais tranquila."

+ Andressa Urach passa por nova cirurgia

O caso gerou grande repercussão nas redes sociais. "Minha intenção é aproveitar o ocorrido para tentar ajudá-los a se estruturar melhor, frente às adversidades que podem aparecer em qualquer momento (mesmo porque estamos prestes a receber uma Paraolimpíada)", escreveu em seu perfil do Facebook.

"O que eu quero é que as pessoas tenham uma consciência e conhecimento maior sobre como lidar com pessoas com necessidades especiais, seja ela qual for. É bem mais simples do que muitos imaginam."

+ Confira as últimas notíciais

Procurada, a companhia afirmou que o equipamento utilizado para levar clientes com deficiência física até o interior de aeronaves da base de Foz de Iguaçu não estava disponível para uso e que ofereceu outras alternativas para Katya, que optou por seguir sem a ajuda dos colaboradores da companhia. "A Gol lamenta o ocorrido e informa que tomará as medidas necessárias para evitar que casos como este voltem a acontecer", disse em nota.

Fonte: VEJA SÃO PAULO