Bichos

Buldogue skatista é a sensação do Minhocão - e da internet

Vídeo de Buddha deslizando sobre o elevado já teve mais de 60 milhões de visualizações

Por: Mariana Rosário

Buddha skate buldogue cachorro
Thiago Iglesias e Buddha: voltas de skate no fim de semana (Foto: Rogerio Albuquerque)

Aos sábados e domingos, geralmenteno fim da tarde, uma cena chama a atenção de quem passeia pelo Minhocão. Um buldogue eufórico, chamado Buddha, desliza sobre o asfalto em um skate, sem a ajuda de ninguém. Sozinho, pega impulso com as patinhas e vai longe, equilibrando-se em cima da prancha. Seu dono, o ator Thiago Iglesias, de 32 anos, acompanha tudo a 2 metros de distância. A vocação canina foi descoberta em casa. “Meu cão ficava grudado no skate, até que resolvi ensiná-lo a andar”, conta. Alguns meses depois, o animal estava craque no negócio. “Dei a ele um equipamento largo para facilitar o equilíbrio.”

Com 2 anos e 25 quilos, o pet skatista acabou virando o xodó dos frequentadores do elevado, que chega a receber cerca de 10 000 pessoas por fim de semana, nos horários em que está fechado para o trânsito de carros. “É nossa nova mascote”, afirma Athos Comolatti, fundador da Associação Amigos do Parque Minhocão. Há três semanas, Comolatti gravou um vídeo em que o bichinho mostrava suas habilidades, e o filme viralizou na internet; até agora, rendeu mais de 60 milhões de visualizações.

+ Luisa Mell promove feira de adoção em shopping de São Paulo

Depois disso, Buddha tornou-se uma espécie de celebridade do pedaço. Suas contas no Facebook e no Instagram reúnem, juntas, quase 4 000 seguidores. O sucesso on-line também resultou em convites para aparecer em programas de televisão, como o da apresentadora Eliana, no SBT, e em um comercial para o site da Vivo, que está no ar desde abril. “Mas não pretendo ganhar dinheiro com isso”, diz Iglesias.

Outros buldogues já se destacaram no esporte, caso do inglês Tillman, que entrou para o Guinness Book em 2009 por ser o cão mais rápido do planeta sobre um skate. “Qualquer cachorro que tenha vontade pode aprender essa atividade”, afirma a adestradora Juliana Yuri. “É saudável, desde que não seja algo que cause stress ao bicho”, completa.

Fonte: VEJA SÃO PAULO