Cidade

Caçambeiros interditam Viaduto do Chá contra nova fiscalização

Protesto realizado na manhã desta terça foi organizado contra lei de descarte de resíduos da construção civil

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Caçambeiros Viaduto do Chá
Protesto de caçambeiros em frente à sede da prefeitura (Foto: Marcelo S. Camargo/Framephoto/Folhapress)

Motoristas de veículos com caçamba interditam o Viaduto do Chá, na região central da cidade de São Paulo, em frente ao prédio da prefeitura, para protestar contra a nova lei de descarte de resíduos da construção civil nesta terça (3). Os manifestantes também bloquearam as Ruas Boa Vista, Líbero Badaró e a Praça da Sé.

+ Russomano lidera corrida eleitoral, diz Datafolha

O protesto começou por volta das 4h10, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Ao longo do ato, caminhoneiros de outros pontos da cidade se uniram ao grupo. Manifestantes ainda protestavam por volta das 10h. 

Os caçambeiros se opõem à resolução 58 da Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb), órgão vinculado à Secretaria Municipal de Serviços, que determina um controle mais rigoroso do descarte de sobras e um cadastro online de todos o caminhões usados na atividade.

+ Motorista destrói carro de luxo em acidente na Radial Leste

A tecnologia exigida pela prefeitura permite que os veículos sejam monitorados na garagem, nos locais de coleta e nos pontos de descarte para evitar que as entulhos sejam dispensados de forma irregular e ilegal. Antes da resolução da Amlurb, o acompanhamento era feito através de planilhas de papel.

+ Confira as últimas notícias da cidade

De acordo com a legislação, o limite é de três dias para manter a caçamba na rua e dois para que seja feito o descarte de sobras. Com a aplicação da tecnologia, ficará mais fácil fazer a fiscalização e autuar os caçambeiros infratores. A multa prevista para quem não cumprir a lei pode chegar a mais de 16 000 reais.

Inicialmente, a mudança estava prevista para entrar em vigor no dia 19 de agosto, mas foi adiada após protesto. Ainda assim, os motoristas reivindicam um prazo maior para se adaptar.

Fonte: VEJA SÃO PAULO