Crianças

O Buda e a Baleia: duas lendas japonesas encenadas por bonecos

A Cia. Ópera na Mala utiliza técnicas orientais para narrar as histórias

Por: Clara Nobre de Camargo

O Buda e a Baleia, da Cia. Ópera na Mala 2222
Cris Miguel e Sérgio Serrano: bonecos, painéis ilustrados e música ao vivo (Foto: Divulgação)

Esta não é a primeira vez que a Cia. Ópera na Mala reúne lendas japonesas em uma montagem teatral. Em 2007, Sérgio Serrano e Cris Miguel fizeram sua experiência pioneira em Mukashi Mukashi — Era uma Vez no Japão. Conhecida pelo programa da TV Cultura Baú de Histórias, a dupla agora leva ao palco O Buda e a Baleia.

Vestidos de quimonos, eles animam os bonecos de um velhinho e de seu neto e, em seguida, narram duas histórias através do kamishibai, técnica criada no Japão que usa painéis ilustrados colocados em uma estrutura de madeira (algo parecido com uma tela montada sobre uma bicicleta).

+ Minichefs e Kinderplay: cursos inovadores para crianças

+ Escolas tecnológicas: giz e lousa cedem lugar aos tablets

Com 25 cartazes desenhados, os atores contam as aventuras da Baleia Azul, uma cantora de ópera do fundo do mar. Ela julga ser a maior criatura do mundo, mas quando ouve falar de um enorme monumento, o Buda de bronze de Kamakura, manda seu ajudante Tubarão à superfície para comprovar.

Na segunda parte do espetáculo, A Raposa e o Samurai toma a cena. A trama, um pouco mais curta, traz cerca de quinze ilustrações. Nela, o traiçoeiro animal invade uma aldeia de samurais fingindo ser um barbeiro e raspa o cabelo de todos os guerreiros, exceto de um.

+ Conheça o aplicativo VEJA SÃO PAULO para crianças

Orgulhoso por ser o mais esperto entre os colegas, esse homem sai à caça do bicho. Completam a narrativa melodias tradicionais japonesas. Com letras em português feitas por Cris e Sérgio, as músicas garantem a diversão da montagem. A trilha sonora é tocada pelo próprio elenco, que usa instrumentos típicos, como tambores e uma espécie de banjo de três cordas chamado shamisen. Cheio de espontaneidade, o casal convida o público mirim a acompanhar as letras e as cômicas coreografias.

Fonte: VEJA SÃO PAULO