Memória

Trajetória conturbada de intérprete de palhaço Bozo vai virar filme

Arlindo Barreto se envolveu com drogas e virou pastor evangélico

Por: Carolina Giovanelli

Bozo Arlindo Barreto
O artista nos anos 80: febre entre as crianças (Foto: Divulgação)

A vida conturbada do baiano Arlindo Barreto vai virar filme. Filho da atriz Márcia de Windsor, o artista, hoje com 62 anos, foi um dos escolhidos para viver o papel do palhaço Bozo no SBT, de 1984 a 1986 — ele já havia atuado em novelas e peças de teatro, além de dirigir o Circo Vostok. O personagem era uma febre entre as crianças. Mas, enquanto divertia os pequenos, o astro (que nessa época teve um caso com a cantora Gretchen) aprontava nos bastidores e sofria com o vício em cocaína. Precisou ir ao ar numa ocasião com algodões no nariz para estancar o sangue pelo uso do pó.

+ Conheça a técnica de contorno de maquiagem inspirada em palhaços

Bozo Arlindo Barreto
Arlindo Barreto em foto recente: das drogas à igreja (Foto: Divulgação)

Após um tombo no banho, em que quase morreu, foi parar no hospital. Ali, um líder religioso fez uma visita para lhe levar a palavra de Jesus. Barreto se converteu e deixou as drogas. Hoje, é pastor da Igreja Batista. Em seus cultos, às vezes encarna Mr. Clown, vestido a caráter, para pregar. O longa O Rei das Manhãs, estrelado por Vladimir Brichta e dirigido por Daniel Rezende, deve estrear entre o fim de 2016 e o começo de 2017.

+ Bete Dorgam e a filosofia do clown: “Comecei palhaça e vou morrer palhaça”

Na produção, porém, Bozo virou Bingo, para não mexer com os direitos autorais da marca americana criadora do personagem. Em tempo: outros dois intérpretes do palhaço tiveram problemas na carreira. O pioneiro brasileiro Wanderley Tribeck enfrentou o alcoolismo e também virou evangélico, e Marcos Pajé sofreu com a dependência de crack. Em 2013, a emissora de Silvio Santos tentou reviver o programa, mas sem sucesso. Ele ficou apenas três meses no ar.

Fonte: VEJA SÃO PAULO