POLÍTICA

Bolsonaro: "Manifestação em frente a minha casa foi criminosa"

No domingo (24), integrantes do Levante Popular da Juventude fizeram protesto contra o deputado 

Por: VEJA SÃO PAULO - Atualizado em

Jair Bolsonaro
O deputado Jair Bolsonaro: protestos após exaltar torturador (Foto: Reprodução)

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) considerou a manifestação ocorrida em frente à sua casa no Rio de Janeiro no último domingo (24) como criminosa. Em vídeo divulgado em seu perfil no Facebook, Bolsonaro disse que os manifestantes proibiram a entrada dos moradores e causaram pânico em suas filhas. “A duas menores de idade, uma delas, com 5 anos, chorou copiosamente dado à ruidosa manifestação em frente ao condomínio”, afirmou o parlamentar. “Isso não é manifestação. Isso é um crime.”

No domingo (24), integrantes do grupo Levante Popular da Juventude protestaram em frente à casa do deputado Jair Bolsonaro na Barra da Tijuca, na Zona Oeste da cidade.

Com faixas e cartazes e gritando palavras de ordem, os manifestantes criticaram, principalmente, a conduta do parlamentar no momento de votar favoravelmente ao prosseguimento do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, na sessão plenária do último domingo (17), na Câmara dos Deputados.

+ Confira as últimas notícias da cidade

No momento do voto, Bolsonaro exaltou a ditadura militar e a memória do coronel Carlos Brilhante Ustra, que foi chefe do DOI-Codi em São Paulo, local onde diversos presos políticos foram torturados.

No ato, os integrantes do grupo seguraram uma grande faixa com a frase "Bolsonaro Golpista". Havia ainda um retrato do deputado com o símbolo nazista (suástica) carimbado na testa. Os manifestantes chegaram a fazer uma encenação simulando o deputado vestido de Hitler, acompanhado de soldados.

+ Falta de matéria-prima atrasa entrega de passaportes

O deputado Jair Bolsonaro criticou o ato. Na sua página no Facebook, ele denunciou a presença dos manifestantes em seu prédio e também rechaçou a manifestação: “LPJ - Levante Popular da Juventude a serviço das ditaduras comunistas!”, dizia um dos posts do deputado. Ou ainda, na sua conta no Twitter: “Meu condomínio está cercado por simpatizantes do PT. Estão ameaçando invadi-lo! Espero que não cometam essa loucura!”

Outro post do deputado foi entendido pelos integrantes do Levante Popular da Juventude como uma ameaça: “Minha propriedade privada é sagrada. Se um dia invadirem, Não Sairão!”, disse o parlamentar. “Bolsonaro ameaça o Levante [Levante Popular da Juventude]. Não nos intimidaremos!”, responderam os manifestantes.

MPF e OAB

A conduta do deputado Jair Bolsonaro durante a votação gerou polêmica ao longo de toda a semana e está sendo alvo de análise do Ministério Público Federal (MPF). A Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro (OAB-RJ) também anunciou que vai entrar com pedido de cassação do mandato do deputado no Supremo Tribunal Federal (STF). (Com Agência Brasil)

Fonte: VEJA SÃO PAULO