política

Bolsonaro diz que não estupra Maria do Rosário porque ela "não merece"

Em discussão na Câmara, deputado eleva a voz e chama a petista de "mentirosa, deslavada e covarde"

Por: Alessandra Freitas - Atualizado em

Jair Bolsonaro
(Foto: Reprodução)

A Câmara dos Deputados foi palco nesta terça-feira (9) mais uma cena de troca de farpas entre os deputados Jair Bolsonaro (PP-RJ) e Maria do Rosário (PT-RS).

Ambos debatiam a Comissão da Verdade, que nesta quarta-feira (10) divulgará o relatório final de suas atividades.

+ Câmara dos Deputados aprova projeto de lei que proíbe testes em animais para a elaboração de cosméticos. A proposta segue para o Senado

A discussão se deu após o pronunciamento da deputada contra a ditadura militar, afirmando ser um período de “vergonha absoluta”. E continuou: "O Brasil, ao longo do último período, encontrou o seu próprio caminho para registrar a memória, a verdade e o caminho da Justiça, para de fato enfrentar o que foi a vergonha absoluta da ditadura militar. A ditadura teve os seus prepostos, teve homens e mulheres também que se colocaram de joelhos diante dela para servirem ao interesse dela, da morte, ao interesse de fazer o desaparecimento forçado, o sequestro”.

As palavras irritaram o militar de reserva, que logo depois fez um comentário que agitou não só a Câmara, mas toda a internet. Enquanto Maria deixava o local, ele a incitou, da tribuna: "Não saia, não, Maria do Rosário, fique aí. Há poucos dias você me chamou de estuprador no Salão Verde e eu falei que eu não a estuprava porque você não merece. Fique aqui para ouvir".

+ Jair Bolsonaro provoca polêmica em documentário do ator Stephen Fry sobre homofobia

+ Jair Bolsonaro se irrita e chama jornalista de “analfabeta” e “idiota”; assista

E seguiu: “A Maria do Rosário saiu daqui agora correndo. Por que não falou da sua chefe, Dilma Rousseff cujo primeiro marido sequestrou um avião e foi para Cuba e participou da execução do major alemão? Maria do Rosário, por que não falou sobre sequestro, tortura, execução do Prefeito Celso Daniel, do PT?”. Em seguida, o deputado elevou o tom em outro pronunciamento que não poupou adjetivos de ódio à parlamentar: “Vá catar coquinho! Mentirosa, deslavada e covarde”.

A cena foi uma continuação de uma antiga guerra entre os políticos, que data de 2008. Na ocasião, ele afirmou ter sido chamado de “estuprador” pela petista, e logo depois revidou em frente às câmeras da Rede TV!, chamando a colega de “vagabunda”.

+ Eduardo Bolsonaro aparece armado em manifestação na Avenida Paulista 

Os políticos presentes no ato, entretanto, não se abstiveram de reação. Jandira Fegali (RJ), líder do PC do B na Câmara, afirmou que que irá entrar contra Bolsanaro no Conselho de Ética por quebra de decoro, e ainda iniciar uma ação no Supremo Tribunal Federal. Henrique Eduardo Alves (PMDB–RN), presidente da Câmara, deixou claro que a petista “tem todos os instrumentos para recorrer se achar que é necessário”.

O estilo do deputado já foi registrado em diversos outros momentos, como o dia em que chamou uma jornalista da Rede TV! de “idiota” e “analfabeta” em plena entrevista.

Fonte: VEJA SÃO PAULO