Política

Varanda divulga nota de esclarecimento sobre estratégia anti-hostilização de políticos

Restaurante no Itaim passou a receber figuras partidárias por porta lateral para evitar atritos com o público

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Sylvio-Lazzarini
SylvioLazzarini: O PT pela porta lateral (Foto: Mario Rodrigues)

A estratégia adotada pelo Restaurante Varanda de receber figuras partidárias pela segunda porta da churrascaria no Itaim e acomodá-las em mesas reservadas gerou forte discussão nas redes socias e muitas pessoas chegaram a engatar uma campanha para boicotar o estabelecimento. Usando a hashtag #varandatofora, movimentos pró-impeachment classificaram a atitude como "acobertamento de corruptos".

+ Restaurante Varanda adota estretégia para políticos não serem hostilizados

A churrascaria, onde o ex-ministro e atual secretário municipal de Relações Governamentais Alexandre Padilha foi alvo de insultos no mês passado, publicou uma nota em sua página oficial do facebook para esclarecer o mal entendido: "Uma vez dentro do estabelecimento, todo e qualquer cliente do Varanda tem direito à sua privacidade, seja ele um artista, um empresário, um político, uma autoridade ou um cidadão comum." A utilização da entrada privativa  da churrascaria não é novidade. Usada por estrelas do quilate do apresentador Fausto Silva e da atriz Regina Duarte, a tática atende à clientes que buscam mais privacidade nas visitas ao local. "Nossa preocupação é evitar conflitos. Imagine se algum político ou acompanhante resolver reagir", explica o dono do restaurante, Sylvio Lazzarini.

+ Haddad é vaiado em musical na Vila Olímpia

Leia a nota completa:

Em relação à notícia publicada na edição da revista Veja S. Paulo deste fim de semana, que vem provocando comentários nas redes sociais, o restaurante Varanda esclarece que:

- O restaurante é um local público que, como tal, pode ser frequentado por qualquer pessoa.

- Uma vez dentro do estabelecimento, todo e qualquer cliente do Varanda tem direito à sua privacidade, seja ele um artista, um empresário, um político, uma autoridade ou um cidadão comum.

- Quando solicitado por um cliente e dentro das possibilidades, o Varanda pode abrir exceções para a entrada em seu estabelecimento por uma porta lateral já usada várias vezes por celebridades e jogadores de futebol, assim como pode encaminhar o cliente - sempre dentro das possibilidades - para mesas em locais mais reservados.

- O Varanda não tem preferência político-partidária qualquer. Como referência em carnes em São Paulo e no Brasil, o Varanda recebe em suas mesas clientes que são políticos e autoridades de todos os partidos, sem exceção. A todos eles o Varanda oferece o mesmo tratamento respeitoso que garante a todos os seus clientes.

- O Varanda lamenta que uma providência normal com o objetivo de preservar a privacidade de seus clientes, em casos extremos, tenha sido entendida com algum tipo de proteção indevida ou de preferência partidária.

- O Varanda respeita e defende o direito de todos à opinião e manifestação, mas acredita que o local apropriado para isto não é um restaurante, um hospital ou uma igreja, e sim as ruas e praças públicas.

+ Confira as principais notícias da cidade

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO