Negócios

Estabelecimentos da capital combinam gastronomia e ciclismo

Quatro casas em Pinheiros, entre cafés e bares, oferecem conveniências como chuveiro e oficina aos ciclistas

Por: Mariana Oliveira - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

O total de deslocamentos com bicicleta na cidade subiu 7% entre 2007 e 2012, chegando a 161 000 viagens diárias. Nesse mesmo período, o espaço para esse veículo só cresceu: a malha cicloviária passou de 197 para 270 quilômetros e deve atingir 669 no fim de 2015.

+ Confira agora o que há de melhor na cidade

No vácuo do fenômeno, surgiu por aqui uma série de negócios para faturar com a turma do pedal. A onda mais recente abrange bares e cafésque vendem também acessórios como capacetes e oferecem serviços que vão de ajustes mecânicos a chuveiro para quem precisa trocar de roupa e se aprontar no meio da rota rumo ao trabalho.

+ Coxinha de mortadela faz sucesso no Mercadão

Inaugurado em junho, o King of the Fork (KOF) é o mais novo endereço do circuito. Ele tem como destaque do cardápio os sanduíches (a partir de 18 reais), além do café expresso (4,30 reais). A oferta de produtos ciclísticos inclui mochilas e selins, entre outros itens. O investimento inicial foi de125 000 reais. “A região costuma acolher bem negócios menores, que não têm a pretensão de se tornar grandes redes”, diz Paulo Filho, um dos sócios.

+ Dez coisas que aprendemos com Castelo Rá-Tim-Bum

Há três casas semelhantes ao KOF no bairro: Bike Café, Las Magrelas e Aro 27. “Esta região recebe muitos ciclistas por estar numa baixada. Fica fácil vir para cá descendo as ladeiras”, teoriza Fábio Samori, dono do Aro 27. “Outra vantagem é que, depois das 20h30, dá para evitar as subidas voltando de metrô”, completa. Ele fatura hoje cerca de 49 000 reais por mês, 30% a mais do que esperava quando abriu as portas, em julho de 2013.

Pedalada com café - tabela 2
(Foto: Veja São Paulo)

Fonte: VEJA SÃO PAULO