Mistérios da Cidade

Bicicletas brancas lembram ciclistas mortos no trânsito

Chamadas de ghost bikes, elas já apareceram nas avenidas Paulista e Vereador José Diniz

Por: Mauricio Xavier [Com reportagem de Catarina Cicarelli, Isabela Villalba e Renata Sagradi] - Atualizado em

Bicicleta - ghost bike_2193
Ghost bike: bicicleta branca em memória a ciclista morto na Avenida Robert Kennedy (Foto: Mario Rodrigues)

No dia 26 de outubro de 2009, um ônibus subiu em uma calçada da Avenida Robert Kennedy, próximo ao Largo do Socorro, matando o ciclista Fernando Martins Couto e o gari Antônio Carlos Ribeiro. O fato viraria só mais uma estatística, não fosse a instalação, em poste próximo, de uma ghost bike. A bicicleta branca, que intriga transeuntes, é um memorial aos ciclistas mortos no trânsito. Há mais duas, nas avenidas Paulista e Vereador José Diniz. Outra chegou a aparecer na Avenida Engenheiro Luís Carlos Berrini, mas ficou pouco tempo.

Para a jornalista Renata Falzoni, que pedala há trinta anos, trata-se de uma resistência pacífica. “Nas ruas, as bicicletas são invisíveis, e a manifestação ajuda os motoristas a prestar mais atenção”, comenta. “As ghost bikes funcionam como alerta, mas são apenas o ato final da tragédia”, afirma Arturo Alcorta, ativista há 28 anos.

Fonte: VEJA SÃO PAULO