Mistérios da Cidade

Feminista, japonesa, policial... as bibliotecas temáticas da capital

Conheça espaços dedicados a assuntos específicos 

Por: Mauricio Xavier [Colaborou Vinicius Tamamoto]

Gibiteca Henfil
Gibiteca Henfil, no Centro Cultural São Paulo (Foto: Newton Santos/Folhapress)

A cidade abriga 107 bibliotecas administradas pela gestão municipal, além de coleções privadas, como as mantidas por associações. Há várias dedicadas a assuntos específicos. Conheça quatro delas.

+ Pesquisadora lista cinco estilos arquitetônicos no Jardim América

> Feminista. Primeira do tipo no país, desde 2015, a Cora Coralina tem mais de 1 000 obras, entre elas clássicos como O Segundo Sexo, de Simone de Beauvoir. Rua Otelo Augusto Ribeiro, 113, Guaianases.

> Japonesa. A Bunkyo mantém mais de 60 000 itens, entre revistas, mangás e livros, muitos em japonês. Há também um acervo especial sobre a comunidade nipo-brasileira. Rua São Joaquim, 381, Liberdade.

> Policial. Duas estantes da Paulo Setúbal guardam desde 2012 alguns dos principais romances de crime e investigação. Entre os autores está a inglesa Agatha Christie. Avenida Renata, 163, Vila Formosa.

> Quadrinhos. Instalada no Centro Cultural São Paulo, a Gibiteca Henfil reúne quadrinhos, fanzines e periódicos. Os apaixonados por HQs se encontram no lugar para desenhar. Rua Vergueiro, 1000, Paraíso. 

Fonte: VEJA SÃO PAULO