Memória

Biblioteca Mário de Andrade mostra acervo raro de jornais e revistas

Há cerca de um mês, 9.200 títulos da hemeroteca (acervo de jornais e outros periódicos) ganharam um anexo exclusivo

Por: Cristiane Bomfim - Atualizado em

historiadora
A historiadora Mirela Hernandes: mergulho no arquivo da Gazeta Mercantil (Foto: Lucas Lima)

No fim da década de 40, as histórias de amor da revista carioca Grande Hotel, espécie de fotonovela em desenho, faziam suspirar as adolescentes e donas de casa. Graças aos quadrinhos adaptados de livros estrangeiros como Almas Acorrentadas e Amor sem Esperança, chegou a circular com 220.000 exemplares mensais. Considerada uma raridade, a publicação integra o arquivo de 9.200 títulos da hemeroteca (acervo de jornais e outros periódicos) da Biblioteca Municipal Mário de Andrade.

Há cerca de um mês, esse tesouro, reunido desde 1935, ganhou um anexo exclusivo, no número 125 da Rua Doutor Bráulio Gomes, no centro, em frente ao edifício principal da Biblioteca. A maior vantagem da mudança foi centralizar as pilhas de encadernações, que nos últimos anos mudaram diversas vezes de endereço e chegaram a ficar divididas em até três lugares ao mesmo tempo.

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

A reforma do prédio custou 15,2 milhões de reais à prefeitura. No espaço térreo, o visitante é recebido por painéis com capas de revistas antigas. É o caso de Esfera, sobre artes cênicas, lançada no Rio de Janeiro em 1938. O 1º piso abriga exposições — atualmente, está em cartaz Ridendo castigat mores (“rindo, castigam-se os costumes”,segundo a máxima romana), com fotos e caricaturas.

sala de exposicoes
Sala de exposições: a reforma do edifício custou 15,2 milhões de reais (Foto: Lucas Lima)

Nos três pavimentos seguintes há o atendimento ao público. Além do acervo físico, é possível consultar agora em dois computadores as versões digitais de 24 revistas da Editora Abril. Isso se tornou viável por meio de um acordo entre o iba (a banca virtual da Abril) e a Biblioteca Mário de Andrade. Do 6º ao 15º andar, onde estão as 2.000 prateleiras, a circulação fica restrita aos dezesseis funcionários do anexo.

bibliotecaria
A bibliotecária Izabel Maria da Silva: higienização página a página (Foto: Lucas Lima)

No antigo serviço, a capacidade de atendimento era bem limitada: apenas três pessoas por dia. O novo prédio pode receber até sessenta usuários. A consulta gratuita aos volumes deve ser solicitada por telefone ou e-mail. É preciso informar o nome da publicação e o período a ser pesquisado. Os funcionários têm prazo de até cinco dias para responder se o material está disponível e agendar a visita.

Quando o pesquisador chega, os jornais ou revistas já estão separados em um dos lugares das bancadas e mesas, enão podem ser removidos. Trata-se de um cuidado com a preservação das folhas, pois parte do patrimônio — como as edições do jornal O Estado de S. Paulo da época da II Guerra — sofreu desgaste devido ao manuseio excessivo. “O Notícias Populares, tema de alguns estudos acadêmicos, também ficou com vários problemas”, diz a bibliotecária Izabel Maria da Silva, que zela pelos periódicos há oito anos.

Entre outras tarefas, ela participa da higienização feita página a página, organiza e cataloga as coleções. Só ao fim desse levantamento, aliás, será possível dizer quantos exemplares há no total da coleção. Na última contagem, em 2006, eram 3 milhões. Desde a inauguração, o anexo recebeu cerca de 450 pessoas, em geral para trabalhos acadêmicos.

A historiadora Mirela Hernandes tem ido lá nos últimos dias para consultar cadernos de 1990 a 1993 da extinta Gazeta Mercantil. Ela busca boletins do mercado financeiro para completar a coleção do Centro de Memória da BM&FBovespa, onde trabalha. “Mas as notícias velhas são tão curiosas aos olhos de hoje que, às vezes, eu me desconcentro”, admite. “Por exemplo: um texto de duas décadas atrás informava que a telefonia móvel dificilmente deslancharia no país.”

Há também casos mais peculiares, como o do administrador de empresas Rodolfo Pedro Stella Junior, de 55 anos, que está organizando para um “estudo pessoal” as fichas técnicas de todos os clubes participantes das 44 edições da série B do Campeonato Paulista. “Comecei o levantamento há mais de dez anos, mas ainda faltam muitos dados”, conta. Sua esperança é preencher as lacunas com informações encontradas nas páginas de A Gazeta Esportiva, que circulou entre 1947 e 2001.

Hemeroteca da Biblioteca Mário de Andrade. Rua Doutor Bráulio Gomes, 125, centro. Agendamento: ☎ 3775-1401 e hemerotecabma@prefeitura.sp.gov.br

Fonte: VEJA SÃO PAULO