Saúde

Três bebês dos quíntuplos ficam doentes e são internados em Santos

Laís, Melissa e Giulia passaram duas semanas entre a enfermaria e a UTI. Duas delas tiveram alta nesta terça (1º)

Por: Veja São Paulo

Quíntuplos
Quíntuplos: parto prematuro no Hospital Sepaco, na Vila Mariana (Foto: Reprodução Instagram)

Com 4 meses de vida, três bebês dos quíntuplos tiveram problemas de saúde e foram internados em um hospital de Santos, no Litoral Paulista, onde moram. Laís, Giulia, Melissa, Gabriela e Arthur já haviam passado cerca de noventa dias no Hospital Sepaco, na Vila Mariana, após o nascimento, em abril, por serem prematuros. Em 14 de agosto, foram para casa com os pais, Karina Barreiras e João Biagi Júnior.

+ "É uma loucura, é tudo novo", diz pai de quíntuplos

Dois dias depois de chegar em Santos, porém, Laís teve pneumonia e foi parar na UTI. Dali a uma semana, foi a vez de Melissa e Giulia ficarem doentes - diagnosticadas com bronquiolite. As três passaram as duas últimas semanas internadas, entre a enfermaria e a UTI. "Foi o maior sufoco. Até agora estamos tensos, estressados", conta o pai. 

Nesta terça (1º), Melissa e Giulia tiveram alta - Laís continua em observação no hospital. Na última segunda (31), ela teve uma falta de ar repentina, ainda inexplicada pelos médicos. 

Quíntuplos
Os pais dos bebês: Karina e Biagi moram em Santos, no litoral   (Foto: Juliene Moretti)

Nascimento

Em um parto acompanhado por mais de quarenta profissionais, entre obstetras, pediatras e enfermeiros, os quíntuplos nasceram em 13 de abril. A mãe, Karina, estava no sétimo mês de gestação. Todos ficaram em observação no Hospital Sepaco e os primeiros a terem alta foram Arthur (único menino do grupo) e Gabriela, em 3 de junho. Um mês depois, foi a vez de Laís e Giulia. Em 17 de julho, Melissa deixou o hospital. 

+ "Tenho a sensação de dever cumprido", diz mãe de quíntuplos

Os pais dos quíntuplos ainda ficaram na capital por quase um mês e fizeram diversas aparições em um programa de TV, que renderam à família presentes como um carro.

Fonte: VEJA SÃO PAULO