Saúde

Com doença rara, bebê Sofia deixa UTI após transplante

Menina de Votorantim, no interior de São Paulo, segue internada em Miami depois de cirurgia em que recebeu cinco órgãos

Por: Estadão Conteúdo

Sofia
Página do Facebook Ajude a Sofia tem notícias diárias sobre o estado de saúde da menina (Foto: Reprodução/Facebook)

Dez dias após ter recebido o transplante simultâneo de cinco órgãos do aparelho digestivo, a menina Sofia Gonçalves de Lacerda, de um ano e três meses, deixou a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Jackson Memorial Hospital, em Miami, Estados Unidos. Às 22 horas de segunda-feira (20), a criança foi transferida para um quarto do mesmo hospital, segundo informou a mãe, Patrícia Lacerda. "Já estamos no quarto com ela e agora é continuar com nossas orações para que logo mais ela esteja totalmente recuperada", postou a mãe na página de Sofia no Facebook.

A menina continuará sob cuidados após ter recebido de um doador da Flórida novos fígado, estômago, pâncreas, intestino delgado e intestino grosso. O transplante de um rim, inicialmente previsto, não foi necessário.

A criança nasceu com síndrome de Berdon, uma doença rara que a impedia de se alimentar e, se não fizesse o transplante, não sobreviveria. A família de Votorantim, região de Sorocaba, mobilizou-se pelas redes sociais e conseguiu na Justiça que o governo brasileiro bancasse o transplante no exterior, já que nenhum hospital do Brasil tinha condições de fazer a cirurgia, complexa e de alto custo - cerca de 2 milhões de reais.

+ Jovem inglesa morre depois de tomar remédio para emagrecer

A criança, que nunca havia ingerido alimentos, já recebe uma alimentação especial que estimula o funcionamento do seu novo aparelho digestivo. As primeiras refeições deixaram a menina assustada ao ter sensações comuns a outras crianças, mas que ela ainda não conhecia, segundo descreveu a mãe. O período de cuidados pós-operatórios depende da resposta do organismo da criança, segundo Patrícia. "Sabemos que o caminho é longo e cada dia de vida é uma vitória como tem sido desde o nascimento dela."

Fonte: VEJA SÃO PAULO