Novidades

Conheça os melhores bares recém-abertos antes que o ano acabe

Uma série de casas bacanas, como o Armazém Veloso, na Vila Mariana, e o Dezoito Bar, no Itaim, abriram nos últimos meses. Visite-os antes que 2012 termine

Por: Redação VEJA SÃO PAULO - Atualizado em

Aconchego Carioca
Tijolos à vista e redes penduradas no teto do Aconchego Carioca (Foto: Mario Rodrigues)

A noite paulistana não para de ganhar novidades. Só no segundo semestre, diversos bares bacanas abriram as portas. Entre eles, há sugestões para todos os gostos. Quem é fã de um boteco ajeitado tem de conhecer o  Aconchego Carioca, filial paulistana do badalado bar carioca, inaugurada nos Jardins, e o Armazém Veloso, ao lado do clássico Veloso, na Vila Mariana.

Já os playboys vão curtir o clima de ver e ser visto de casas badaladas como a  Brasserie des Arts, nos Jardins, o Dezoito Bar  e o Mercearia São Roque Grill, ambos no Itaim. Para o público descolado, há o D4 Boteco Galeria, também nos Jardins,  e o Lekitsch, o primeiro botequim aberto na Praça Roosevelt após sua reforma. Os fãs de rock podem curtir o Mamma Road, em Perdizes, enquanto os aficionados por cerveja ganharam um novo point na zona norte, o Leão da Terra. Confira o roteiro completo abaixo e corra para conhecer todos antes que o ano acabe:

Aconchego Carioca: embora a decoração siga os padrões da matriz, no Rio de Janeiro, com redes penduradas no teto, a casa daqui carece da informalidade típica carioca e mostra um ambiente mais arrumado, na medida para atrair os engravatados que trabalham na região. No cardápio, os afamados bolinhos criados pela chef Kátia Barbosa aparecem em oito versões. Agradou a receita de virado à paulista, de massa de feijão-carioca preenchida por couve, linguiça, bisteca e ovo.

Armazém Veloso
O ambiente do Armazém Veloso: bastante concorrido (Foto: Mario Rodrigues)

Armazém Veloso: vizinho ao sempre lotado boteco Veloso e do mesmo dono, o Brasamora reabriu com novos ares depois de seis meses de reforma. Entre as várias inovações, ganhou até outro nome. Dos quitutes, além da imperdível coxinha de frango com catupiry, apresenta o bolinho de arroz e linguiça calabresa, de textura cremosa. Graças a duas câmaras frias, o chope (Brahma) está saindo mais gelado, mas são as caipirinhas o maior chamariz. Discípulo do barman Souza, João Monteiro encarrega-se do preparo das dezessete versões. Duas dicas: a de caju e limão e a de tangerina com pimenta dedo-de-moça, ligeiramente picante.

Brasserie des Arts
Brasserie des Arts: ambiente transado (Foto: Fernando Moraes)

Brasserie des Arts: estiloso e todo à meia-luz, o endereço tem perfil versátil. Pode-se tanto jantar ao som de house e deep house como curtir o clima de bar da varanda e do lounge (nos fundos), com sofás de veludo e pufes. O competente Marcelo Serrano assina e executa a carta de quarenta receitas, dezoito delas autorais. É o caso do delicado lafayette, servido numa xícara de chá e composto de gim Hendrick's, xarope de chá de camomila, licor de ervas e água de flor de laranjeira. A cozinha, comandada pelo chef francês Xavier Torrentes, elabora boas sugestões, entre elas o ceviche de peixe branco e camarão.

d’Água Benta
d'Água Benta: exposição de quadros e sofá com almofadas de chita (Foto: Fernando Moraes)

d'Água Benta: alia ambiente, trilha sonora e cardápio com toques nacionais. Com preços camaradas, apresenta as receitas na forma de pequenas porções, na linha das tapas. Apesar do mérito de fugir do lugar-comum, algumas delas pedem um pouco mais de tempero, a exemplo da moqueca de palmito pupunha e banana-da-terra. A melhor sugestão recai sobre a paleta de cordeiro coberta por uma saborosa pasta de menta e acompanhada de purê de batata-doce. Já que os drinques não são o forte, prefira na hora de beber uma cervejinha (Original e Serramalte) ou uma cachaça mineira, entre elas a Lua Cheia.

dezoito-bar
As mesas altas do Dezoito Bar: clima animado (Foto: Fernando Moraes)

Dezoito Bar: a ambientação combina iluminação baixa, paredes envidraçadas e mesas de estilo bistrô (menores e altas), que favorecem a troca de olhares. Para deixar o clima animado, a programação alterna bandas ao vivo e som de DJ. A barwoman paulistana Gracy Kelly Spano assina e prepara os drinques da enxuta carta. Destilados com energético e Stella Artois long neck também embalam a azaração. Entre uma e outra bebericagem, não deixe de conhecer o bacana deque-varanda, no piso superior. Com vista para a rua e um bar próprio, ele acolhe os fumantes e quem quer dar um refresco do auê.

D4 Boteco Galeria
Ambiente com mesas do D4 Boteco Galeria: espaço colorido e alternativo (Foto: Mario Rodrigues)

D4 Boteco Galeria: o colorido e alternativo ambiente combina mesas de madeira, típicas de botequim, com trabalhos de arte urbana. Com o avançar das horas, as atenções se voltam para o piso superior, onde há uma pista de dança (funk, soul, nu jazz e electro rock), aberta de terça a domingo. Para bebericar, escolha entre o chope Stella Artois e um dos dezenove drinques, caso do miles davis, mistura de vodca, limão-taiti, xarope de capim-limão e um toque de espumante.

Leão da Terra
Degustação de chope com cinco copos de 100 mililitros cada um: no Leão da Terra (Foto: Mario Rodrigues)

Leão da Terra: alinham-se no menu cerca de 250 rótulos de quinze países, selecionados por Silvio Molina (ex-Melograno). A casa dispõe de uma degustação de chope, composta de cinco copinhos de 100 mililitros cada um, das marcas Bamberg Pilsen, Erdinger, Delirium Tremens, Colorado Indica e Guinness. A crocante minicoxinha de ossobuco chega com molho pesto, servido à parte. Às sextas e aos sábados, rola pop rock ao vivo.

Lekitsch
O salão do Lekitsch: decoração apinhada de objetos (Foto: Mario Rodrigues)

Lekitsch: primeiro endereço a surgir na Praça Roosevelt depois da reforma, destaca-se pela decoração meio retrô, meio kitsch. Dela faz parte um monte de objetos nostálgicos, entre eles fitas cassete, quadros de pin-ups, TVs em preto e branco e até o brinquedo Genius. Nas mesas, discos de vinil são usados como sousplat para os petiscos do enxuto menu, a exemplo da costela de tambaqui empanada no fubá e do bolinho de arroz, gorgonzola e parmesão, de textura macia.

Bar Mamma Road, em Perdizes
Mamma Road: cartazes de filmes enfeitam as paredes (Foto: Mario Rodrigues)

Mamma Road: paredes vermelhas, quadros com imagens de pin-ups e cartazes de filmes como À Prova de Morte, de Quentin Tarantino, ajudam a compor o ambiente. No piso superior, turmas de jovens se divertem na mesa de sinuca. Preparada na churrasqueira, a tenra costelinha de porco ao molho de laranja e mel chega escoltada por dois acompanhamentos à escolha do cliente. Guarde espaço para a porção buffalo wings, as asas de frango fritas ao molho picante de mostarda e mel. Há chopes Heineken e Guinness.

Mercearia São Roque Grill
Mercearia São Roque Grill: mesas com toalhas xadrez, como na matriz (Foto: Gladstone Campos)

Mercearia São Roque Grill: conhecido reduto do público bon-vivant, a Mercearia São Roque ganhou mais uma filial. Apesar de semelhante ao da casa-mãe, o cardápio exibe mais opções de grelhados. Entre as pedidas está o bife de chorizo (com direito a dois acompanhamentos). Dos petiscos, prefira os croquetes de cenoura.

Fonte: VEJA SÃO PAULO