Especial

Seleção de bares para comemorar o Dia dos Pais

Fuja das filas dos restaurantes e escolha casas que investem em porções que equivalem a uma refeição

Por: Marcus Oliveira - Atualizado em

Adega Santiago Cidade Jardim
A vista da Adega Santiago no Shopping Cidade Jardim tem uma vista privilegiada da cidade (Foto: Mário Rodrigues)

Com o Dia dos Pais chegando, nada melhor que programar um domingo especial com o velho. Na hora da fome, os restaurantes são a saída, mas algumas filas de espera são desanimadoras. Para drilblar esse mal, a dica é escolher um bar bacana para tomar uma gelada com o paizão e beliscar porções bem servidas, que equivalem a uma refeição. 

+ Confira dicas de presentes e bons programas para os pais

Na Adega Santiago, no Shopping Cidade Jardim, os coroas podem degustar receitas típicas de Portugal e da Espanha com uma vista privilegiada da cidade.

Quem curte futebol, o São Cristovão, em Pinheiros, é todo decorado com a temática do esporte. A pedida é o famoso filé Oswaldo Aranha, acompanhado dos inúmeros rótulos de cerveja. Quem quiser degustar uma branquinha com o paizão, a pedida é o Empório Sagarana, na Vila Madalena, e sua seleção de quase 600 rótulos de cachaça.

Para os mais descolados, o Aconchego Carioca, nos Jardins, tem redes penduradas no teto e ambiente bem despojado. No cardápio, o bolinho virado à paulista, de massa de feijão-carioca preenchida por couve, linguiça, bisteca e ovo merece destaque. Outra dica é o bar., em Pinheiros, que oferece boa carta de drinques e programação com jazz e blues ao vivo na varanda aos domingos. 

Confira abaixo os bares para celebrar o Dia dos Pais no domingo (10):

Aconchego Carioca
Tijolos à vista e redes penduradas no teto: nos moldes da matriz (Foto: Mario Rodrigues)

Aconchego Carioca: serve pratos saborosos no cardápio, como os bolinhos criados pela chef Kátia Barbosa, que aparecem em oito versões. A dica entre eles é de sabor feijoada, que leva praticamente todos os ingredientes servidos na receita e vem acompanhado de um dose de cachaça. A iguaria levou recentemente o título da Copa de Petiscos, promovido por VEJASAOPAULO.COM. Elaborada por Eduardo Passarelli (ex-Melograno), a carta de cervejas traz 190 rótulos divididos por estilo. Uma pedida certeira: a inglesa Strong Suffolk Vintage Ale.

Adega Santiago Cidade Jardim: a primeira filial do Adega Santiago segue os moldes da matriz do Jardim Paulistano. Merece destaque do público a vista aérea para um trecho da Marginal Pinheiros e um balcão de ostras. Na hora de escolher o prato, a dica são as receitas típicas de Portugal e da Espanha, entre elas a de frutos do mar à tasquinha, com camarão-rosa, lula e polvo regados a azeite português e guarnecidos de batata ao murro e cebola refogada. Para beber, chope (Stella Artois) e 180 rótulos de vinho

bar.: o lugar é opção para levar os pais mais moderninhos. Há uma pista no 2º piso que toca rock e música eletrônica. Aos domingos, rola jazz e blues ao vivo na varanda. A carta de bebidas assinada por Talita Simões merece destaque. Entre elas, bramble de gengibre, feito com gim, licor Chambord, limão-siciliano e xarope de gengibre. Da cozinha saem pratos feitos pelo chef Marcos Lee, como a costela suína ao molho de framboesa.

Barteco
A porção de costelas (Foto: Mario Rodrigues)

Barteco: o boteco recebe uma pitada de sofisticação e ocupa três andares de um sobrado simples. No pequeno menu figuram pratos, petiscos e bebidas agrupados por faixa de preço. As saborosas costelinhas de porco, cozidas em baixa temperatura, levam molho agridoce e pimenta chipotle. Pratos substanciosos fecham o cardápio, entre eles o nhoque com ragu de costela. O chope Brahma é bem tirado e há coquetéis interessantes, caso do kiwi limoncello, feito com cachaça.

Bar do Berinjela: atual campeão da edição 2013 do Comida di Buteco, eleito o melhor da cidade, é a surpresa de berinjela: um bolinho de berinjela com linguiça refogada e parmesão em cubos. Depois de provar o quitute, não deixe de pedir a especialidade que é o carro chefe do bar e deu o nome à casa, a Berinjela à Parmegiana. O cardápio ainda conta pratos e porções. Aos domingos, abre até às 17 horas.

Birreria la Legion: a casa, no Ipiranga, com jeitão de cantina italiana ganha destaque também por sua boa carta de cervejas. O pequeno salão com mesinhas cobertas por toalha xadrez exibe rolhas de vinho fixadas pelas paredes. Da cozinha, chegam bons antepastos, sanduíches chamados de panini e porções para dividir. A bruschetta floriano leva ragu de costelinha e calabresa na cachaça.

Cervejaria Patriarca
Costela assada no bafo (Foto: Fernando Moraes)

Cervejaria Patriarca: com unidades no Tatuapé, Vila Madalena e Vila Nova Conceição, a casa atrai um público fiel. A apetitosa costela assada no bafo é a principal atração. Uma de suas três versões, a chamada bento gonçalves vem acompanhada de cebola com mel e shoyu, feijão-preto, salada de rúcula, farinha de mandioca e pão francês e serve duas pessoas. Cerveja Original ou Serramalte.

Empório Sagarana: a ambientação rústica de madeira e a boa variedade de produtos — nas prateleiras há uma impressionante seleção de quase 600 rótulos de cachaça e outros 200 de cerveja, além de doces, compotas e queijos enchem os olhos de qualquer cliente.

Frangó: dono da melhor carta de cervejas da cidade, segundo o júri do especial “Comer Beber”, o boteco aberto há 25 anos mantém-se uma referência para os amantes da bebida. Além dos 450 rótulos, entre eles a belga Duvel Tripel Hop, e os chopes especiais, como o também belga Delirium Tremens, não deixe de pedir as clássicas e saborosas minicoxinhas de frango com catupiry.

Ludus: a clientela se diverte com mais de 800 opções de jogos de tabuleiro como os clássicos War, Detetive, Banco Imobiliário e Batalha Naval e até novíssimos e complexos títulos alemães. O clima de descontração toma conta do ambiente. Mas é ideal ligar antes para fazer uma reserva, pois a casa costuma lotar. Entre uma jogada e outra, prove os anéis de frango empanados, na companhia de cervejas como a uruguaia Norteña.

Peixaria Bar e Venda: no ambiente charmoso na Vila Madalena funciona uma peixaria que oferece aos clientes a possibilidade de grelhar os seus próprios pescados. Apresenta um extenso cardápio baseado nos frutos do mar. Em porção de oito unidades, os bolinhos de paella são sequinhos por fora, fartos no recheio e saborosos (32 reais). Já a minimoranga repleta de moqueca de camarão sai por 26,00 reais. Para acompanhar as receitas, a caipirinha de lima-da-pérsia é bem executada. Além do serviço cordial, tem o chope Stella Artois e é um porto seguro para os amantes da boa cerveja, entre elas a Original.

Rouge Bar à Vin: descolado, meio chique, mas sem frescuras, um jardim de inverno e uma antiga árvore do imóvel completam a decoração. A carta de vinhos de 120 rótulos — trinta deles em taça — atrai os olhares dos clientes. Na cozinha supervisionada pela chef-consultora Ana Soares vale a pena investir na seção de embutidos como a charcuterie maison, porção na qual gordas fatias de bresaola, rillete de pato, patê, pepinos e cebolinhas têm a parceria indispensável do pãozinho.  Pratos como arroz de camarão são uma boa pedida para refeições.

São Cristovão: a decoração, de temática futebolística, reúne fotos históricas, flâmulas e caricaturas no botequim clássico da Vila Madalena. Para tabelar com o chope (Brahma), convoque o croquete de calabresa levemente picante. Entre os pratos mais procurados, o filé ao molho de mostarda de Dijon com batata portuguesa e arroz, chamado de filé à Oswaldo Aranha, a feijoada, a carne de panela e o filé de frango com polenta cremosa, entre outros, chegam à mesa em porção generosa e são muito saborosos.

Fonte: VEJA SÃO PAULO