Petiscos

Botecos para comer boas porções de bolinho de bacalhau

O petisco típico português é um dos preferidos dos botequeiros e destaca-se no cardápio dos endereços abaixo

Por: Redação VEJA SÃO PAULO - Atualizado em

Hocca Bar - bolinho de bacalhau
Hocca Bar: os saborosos bolinhos, dos mesmos criadores do famoso pastel de bacalhau do Mercadão (Foto: Divulgação)

Entre as porções que circulam pelas mesas dos botequins, o bolinho de bacalhau é certamente uma das mais populares. Quando bem feito, com massa crocante e recheio saboroso, o petisco típico português cai bem tanto com a cerveja e o chope gelados quanto com drinques como a tradicionalíssima caipirinha.

Se, só de ler, você já sentiu vontade de provar um bolinho, confira abaixo endereços onde este belisco destaca-se no cardápio.

■ Academia da Gula: releve a aparência simples do miudinho salão de esquina do boteco-restaurante, pois as ótimas receitas portuguesas valem a visita. Enquanto o prato não chega, delicie-se com os bolinhos de bacalhau, moldados na colher (R$ 28,00 oito unidades). 

bolinho-bacalhau-bar-luiz-fernandes-mario-rodrigues
Bolinho de bacalhau do Bar do Luiz Fernandes (Foto: Mario Rodrigues)

■ Bar do Luiz Fernandes: o boteco da Zona Norte é o templo paulistano dos bolinhos. E é claro que não poderia faltar o clássico bolinho de bacalhau (R$ 4,00 a unidade).

■ Bar Léo: o boteco decano da cidade reabriu em agosto, sob administração do grupo que controla o Bar Brahma, no centro.  Uma das estrelas do cardápio é o bolinho de bacalhau (R$ 6,50), disponível apenas as sextas e aos sábados. É ótimo parceiro para o bom chope Brahma.

bolinho-bacalhau-bar-academia-da-gula-renata-ursaia
Bolinho de bacalhau do bar Academia da Gula (Foto: Renata Ursaia)

■ Dona Felicidade: comandado pela octogenária portuguesa Felicidade Bastos e por dois de seus cinco filhos -- Toninho e Sergio --, o bar-restaurante tem por atração seus pratos fartos e de estilo caseiro. Na lista de especialidades aparecem o bolinho de bacalhau (R$ 4,50) e o bacalhau ao forno.

■ Espírito Santo: para abrir o apetite neste bar-restaurante, aposte no bolinho de bacalhau (R$ 42,00, doze unidades) e na alheira (embutido típico da terrinha), que chega à mesa frita e já cortada para aperitivo. Recheiam também o cardápio doze pratos com o pescado.

■ Frangó: detentor de uma das mehlores melhor carta de cervejas da cidade, o boteco aberto há mantém-se uma referência para os amantes da bebida. Seus freezers guardam 450 rótulos. Entre os petiscos, uma das sugestões é o bolinho de bacalhau (R$ 28,00, dez unidades).

Hocca Bar: é o criador do lendário pastel de bacalhau do Mercadão, hoje conhecido mundialmente por seu sabor e tamanho (200 gramas de bacalhau no recheio). Os bolinhos, menos famosos, não ficam atrás no quesito qualidade. O bolinho é vendido por unidade ao invés de porção, graças a seu tamanho também avantajado (R$ 19,75).

Jabuti: nesse boteco especializado em frutos do mar, a atmosfera é de antigamente. É impossível comer apenas um bolinho de bacalhau (R$ 4,50), frito na hora.

bolinho-bacalhau-frango-leo-feltran
Bolinho de bacalhau do Frangó (Foto: Leo Feltran)

■ Pé pra Fora: repare: do lado de dentro do salão não há mesas. Elas ficam todas dispostas numa varandona de esquina — daí o nome deste tradicional boteco. Caso não queira pedir uma das fartas porções, opte pelos salgados vendidos por unidade, como a cremosa empadinha de palmito e o bolinho de bacalhau (R$ 5,20), frito na hora.

■ Pirajá: o mais famoso quitute do cardápio é o tentador bolinho carioca, com massa de abóbora e recheio de carne-seca. Outras delícias para escoltar o chope cremoso (Brahma) são os croquetes fio maravilha (de pernil), o rosbife de língua de boi e, claro, o bolinho de bacalhau (R$ 30,00 seis unidades).

■ Tiro Liro: este boteco com ares de antigamente foi aberto pela mesma família fundadora do conhecido bar-restaurante Dona Felicidade, na Vila Romana. Garantia, portanto, de boa qualidade nas comidinhas que saem da cozinha. Entre elas, o caseiro rosbife do ademir, servido com mostarda escura, e o bolinho de bacalhau.

Fonte: VEJA SÃO PAULO