Noite

Misto de bar e casa noturna Charles Edward muda de endereço

Em comemoração a seus dezoito anos, o point de trintões, quarentões e cinquentões migra para um espaço duas vezes maior no Itaim Bibi

Por: Carolina Giovanelli

IMG_6237
A última festa no ponto original: clima de paquera (Foto: Ricardo D'Angelo)

A banda começa a tocar os primeiros acordes de Sultans of Swing, música do Dire Straits, grupo britânico famoso nos anos 80. A plateia mostra aprovação. Mal dá para transitar pela pista do Charles Edward: o bar-balada do Itaim Bibi está lotado. Em clima heavy metal de paquera, trintões, quarentões e cinquentões trocam olhares e cantadas. Como se fosse em um bailinho de interior, muitos cavalheiros ficam no canto, com os cotovelos fincados no balcão, enquanto observam as damas se exibirem na pista. O negócio faz sucesso há dezoito anos, marca impressionante no rotativo mercado de diversões noturnas da cidade. No último dia 26, rolou a última festa da casa na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek. Depois de quase duas dé cadas no endereço, o negócio está indo para um ponto maior na rua ao lado, no mesmo quarteirão, onde antes funcionava a boate Cafe de la Musique. Fruto de um investimento de 7 mi lhões de reais, o espaço poderá receber 480 pessoas, o dobro da capacidade atual.

Com a abertura prevista para terça (5), o novo Charles Edward não vai mexer na receita que fez a sua fama. A trilha sonora ao vivo continuará contando com músicas de pop e rock clássico, além de alguns hits mais recentes de conjuntos como The Black Eyed Peas. Ha verá também shows de bandas co ver e apresentações de dinossauros das FMs, como Ritchie (Menina ve neee no....) e Radio Taxi (Garootaaaa, douradaaa...). No cardápio, destacam-se 47 rótulos de uísque, sendo o mais caro um Chivas Regal 25 anos, de 2 300 reais a garrafa.

kyko_008
O proprietário Kiko: "Pareço um pouco o Mick Jagger" (Foto: Fernando Moraes)

Ao longo de sua história, o bar ganhou a reputação de desencalhar largados, solteiros e descasados. Pelas contas da casa, pelo menos oitenta casais já se formaram em torno de suas mesasnesses anos todos. “Eu digo para as minhas amigas: ‘Quer arrumar namorado, vai ao Charles’”, conta a secretária executiva Maria Aparecida Taboada, de 47 anos. Ela sabe o que fala. Há quatro anos, conheceu ali o empresário Milton Sato, 56, com quem mora desde então. Na ocasião, ambos tinham acabado de sair de longos casamentos. Antes de Milton, Maria Aparecida namorou um espanhol e um português que conheceu... no Charles Edward, claro. “Se um dia casarmos de papel passado, vou fazer a cerimônia lá”, promete.

Grande parte do sucesso do negócio se deve a seu dono e mestre de cerimônias, Agenor Dias, o Kiko. Em 1995, ele trocou a gravata, o bigode e a rotina de dono de corretora da bolsa de valores pela sociedade no bar do Itaim, que havia sido fundado dois meses antes por dois casais de amigos. Tomou gosto pela coisa e, em 2007, comprou todo o empreendimento. Hoje ele divide o comando com o primogênito Gabriel, de 27 anos, e com a ex-mulher, Eduarda Veiga. “Nós nos damos superbem”, conta ela. “Só às vezes preciso apartar as discussões entre pai e filho, mas é normal.”

IMG_6192
Sato e Maria: o casal se conheceu no bar após o término de longos casamentos (Foto: Ricardo D'Angelo)

Segundo Kiko, quem o vê agora não reconhece o corretor engomadinho de antigamente. “Levo uma vida boa, bicho, estou muito mais à vontade comigo mesmo”, diz. Vaidoso, gosta de se cuidar, malha três vezes por semana e faz escova no cabelo. Adepto da numerologia, estabeleceu os preços do cardápio segundo o estudo místico. “Sou meio Peter Pan, faço tudo o que posso para manter o espírito jovem”, afirma ele, que adora cantar (tem aulas semanais para treinar a voz) e sempre sobe ao palco de seu pub. “Sou muito assediado, pois pareço um pouco com o Mick Jagger”, acredita. Uma figura assim, só mesmo no Charles Edward.

Charles Edward. Rua Miriti, s/nº, esquina com a Avenida Presidente Jusce lino Kubitschek, 1400, Itaim Bibi, tel. 3079-2804. 18h/4h (ter. a sex.); 20h/ 4h (sáb.). Ter. e qui. a sáb.: R$ 36,00 (mulheres) e R$ 59,00 (homens). Qua.: R$ 29,00 (mulheres) e R$ 39,00 (homens).

Fonte: VEJA SÃO PAULO