Para dançar

Banda Glória atrai público composto pelas mais variadas idades em bailes à moda antiga

Composta por quinze integrantes, a Banda Glória se apresenta na Aldeia Turiassu e no Restaurante Refeitório

Por: Filipe Vilicic - Atualizado em

Sexta sim, sexta não, cerca de 1 000 pessoas – na maioria universitários de 20 e poucos anos – se aglomeram em frente ao número 928 da Rua Turiaçu, nas Perdizes. Às 10 da noite, formam uma imensa fila na porta do centro de eventos Aldeia Turiassu. Demoram, em média, quarenta minutos até chegar à entrada, onde cada um paga 35 reais pelo ingresso (25 se for estudante). No amplo salão, os baladeiros disputam cada metro quadrado à espera da grande atração da noite, que sobe ao palco pouco depois da meia-noite. Trata-se da Banda Glória, que anima casais com som de gafieira, samba, chorinho e outros ritmos suingados. "Vale a pena o esforço porque não tem festa igual", diz o administrador Marcos Reis, de 27 anos, freqüentador do baile há três anos. "Além de a música ser ótima, o pessoal vem de fato para dançar e não para se exibir, como acontece em outros lugares."

Idealizada pelo economista Frederico Mazzucchelli, o Fred, a banda se apresentou pela primeira vez em 1996, no bar Charles Edward, no Itaim. Eram oitenta pessoas na platéia. "Tudo começou na farra", conta ele. "Achava minha profissão maçante e resolvi me dedicar ao violão para relaxar." O músico, que foi secretário de Economia e Planejamento no governo Quércia e é professor da Unicamp desde 1978, havia tocado com pequenas bandas em sua adolescência, nos anos 60. Voltou às aulas de violão em 1994. Dois anos depois, decidiu formar o grupo com sete amigos, entre eles o saxofonista e barítono Fernando Butrico. Com o tempo, outros músicos passaram a integrar a big band. Hoje, chegam a quinze. Suas mais preciosas aquisições são os três cantores que o acompanham nos microfones: a simpática Josyane Melo, a bela Andreia Dias, famosinha por seu trabalho-solo, e o carismático Rubi (que tem um quê de Ney Matogrosso). No repertório, soltam clássicos de Chico Buarque, Noel Rosa, Tom Jobim e outros ícones da MPB.

No início, os bailes eram mensais e freqüentados por um público mais maduro, acima dos 40. "Os casais costumavam levar seus filhos para o salão", lembra o economista Caio Medeiros, de 57 anos, habitué das festas da Glória. Com o tempo, a pista lotou – e como lotou – por divulgação boca a boca, principalmente entre os jovens que antes acompanhavam seus pais. "Na primeira vez, há cinco anos, fui com a minha mãe", diz a designer Izabel Ferreira, de 30 anos. "Gostei tanto que voltei com um grupo de amigas." Desde que foi criada, a banda fez mais de 300 shows e chegou ao público recorde de 1 500 pessoas em uma única apresentação – em 15 de fevereiro deste ano no Aldeia Turiassu.

Em 2005, o conjunto começou a fazer shows quinzenais no clube União Fraterna, na Lapa, cenário do filme Chega de Saudade, e desde 6 de junho a balada passou a ser semanal. Numa sexta, a Glória sobe ao palco do Aldeia Turiassu. Na outra, toca no Refeitório, restaurante no 19º andar de um prédio de escritórios na Vila Olímpia. Só que as apresentações, antes dominadas por gente mais velha, foi tomada por baladeiros jovens. Com a Glória, a gafieira, típica das décadas de 40, 50 e 60, voltou à moda na cidade. Na esteira do sucesso do grupo surgiram outros bailes para um pessoal de 20 e poucos anos, como a domingueira da Gafieira São Paulo, no Tom Jazz, em Higienópolis, e o Samba na Feira, no bar e restaurante Feira Moderna, na Vila Madalena. "A juventude redescobriu o samba", afirma Fred. "Contagiou-se com a magia e com a farra das gafieiras, que unem música de qualidade e azaração."

>>confira um especial com perfis dos cantores, músicas do grupo e vídeos de sua animada performance

Aldeia Turiassu. Rua Turiaçu, 928, Perdizes. Informações, 8515-1112. O próximo baile está marcado para sexta (18), a partir das 22h. R$ 25,00 (estudantes) e R$ 35,00. Restaurante Refeitório. Rua Funchal, 418, Vila Olímpia (19º andar). Informações, 3846-3502. O próximo baile está marcado para sexta (25), a partir das 20h. Mulheres: R$ 30,00. Homens: R$ 40,00. www.bandagloria.com.br.

Fonte: VEJA SÃO PAULO