Noite

Baladas sofrem com superlotação, filas e falta de infraestrutura

Nos últimos tempos, cair na farra tem demandado uma dose generosa de paciência por parte dos baladeiros paulistanos

Por: Carolina Giovanelli - Atualizado em

Cafe de la Musique-2153
Cafe de la Musique, no Itaim: mesas no caminho, sujeira e atendentes antipáticos (Foto: Cida Souza)

O designer Bruno Grandino chegou à festa mensal PostiT, no clube Vegas, na Consolação, por volta da meia-noite do dia 16 de janeiro. Os relógios marcavam 3 horas da manhã e o rapaz de 22 anos ainda aguardava na fila. Até que desistiu. “Fui desrespeitado”, afirma. Nos últimos tempos, cair na farra tem demandado uma dose generosa de paciência por parte dos baladeiros paulistanos. Na PostiT, por exemplo, é tanta gente que a fila bloqueia toda a calçada do número 765 da Rua Augusta. Além disso, o aglomerado invade também uma das faixas da via, atravancando o trânsito. Lá dentro, reina um calorão, que faz com que os dançarinos mais empolgados cheguem em casa cobertos de suor. Na hora de pagar, adivinhe: mais irritação e filas de espera. Não é só no Vegas que isso acontece. Essa é apenas uma das muitas boates da cidade — no total são 2 000 estabelecimentos desse tipo, segundo a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) — que apresentam empecilhos para a diversão de seus frequentadores. Para avaliar quesitos como filas, serviço e instalações, percorremos nove baladas entre os dias 15 e 30 de janeiro.

Cida Souza
Villa Country
Burburinho em frente ao Villa Country, na Barra Funda: sistema eficiente de ingresso pré-pago (Foto: Cida Souza)
Burburinho em frente ao Villa Country, na Barra Funda: sistema eficiente de ingresso pré-pago

O concorrido Kia Ora, misto de pub e casa noturna no Itam Bibi, é um dos campeões de reclamação, por causa de sua fila de dobrar o quarteirão. A professora Luciana Schaefer já amargou mais de duas horas na rua e resolveu adotar uma nova tática: chegar cedo, por volta das 20 horas, horário em que as portas são abertas. “Pago mico de ficar aqui sem ninguém, mas pelo menos garanto meu espaço”, diz ela, entre esbarrões e empurrões, comuns no lotado ambiente. Conseguir um drinque também pode ser desafiador. Banquinhos em frente ao balcão dificultam a passagem. O sócio César Ranieri afirma que depois de o Kia Ora atingir a lotação máxima de 450 pessoas não há solução: é necessário esperar que alguém saia para dar lugar a outra pessoa, num sistema de rodízio. “Quanto mais gente, melhor seria para nós. Mas não podemos prejudicar o conforto de quem está lá dentro.”

Além da falta de infraestrutura, um serviço desencontrado faz com que alguns lugares percam pontos. O refinado Cafe de la Musique, no Itaim, peca pela quantidade de mesas na pista (por volta de dez). Esses obstáculos fazem com que os garçons circulem com dificuldade. O chão é imundo. Copos quebrados e guardanapos estão por toda parte. “A equipe é bem treinada, mas fica difícil localizar a sujeira”, afirma a coordenadora de marketing Cláudia Gomes. Em Pinheiros, na Gambiarra, que rola semanalmente no Open Bar Club, há goteiras, o chão do mezanino treme com movimentos mais bruscos e o ambiente é para lá de abafado. São três saídas diferentes, com seis caixas no total — insuficientes para atender adequadamente os cerca de 1 000 frequentadores. O sistema de compra antecipada de ingressos ajuda a fluidez na porta do Villa Country, na Barra Funda, que recebe em média 2 000 pessoas por noite. Porém, a Avenida Francisco Matarazzo sofre com o movimento intenso do reduto sertanejo e de mais duas casas coladas a ele. Uma de suas faixas fica completamente bloqueada por um punhado de jovens, comprometendo o tráfego local.

Cida Souza
Open Bar Club_2153
Bagunça na saída da Gambiarra, no Open Bar Club: apenas seis caixas para atender cerca de 1 000 pessoas (Foto: Cida Souza)
Bagunça na saída da Gambiarra, no Open Bar Club: apenas seis caixas para atender cerca de 1 000 pessoas

Depois de instaurada a lei antifumo, alguns empreendimentos adotaram novos sistemas para facilitar a vida dos fumantes. Um deles é o Hot Hot, na Bela Vista, adepto da comanda pré-paga. Para ir embora é uma beleza, porém se o cliente quiser de volta parte do valor que carregou no cartão não há jeito. A boate não restitui o dinheiro, mas possibilita o uso em outra visita. “Não somos um banco”, afirma uma das donas, Flávia Ceccato. “Pagamos taxas a cada compra.” O advogado especialista em direito do consumidor Sergio Tannuri afirma que o procedimento é legal. “Foi uma opção do cliente depositar determinada quantia.” Algumas práticas facilmente encontradas pelos clubes afora, no entanto, são ilegais. A consumação mínima, por exemplo, é uma delas. Ninguém deve se sentir obrigado a comprar algo que não queira. Cobranças de valores aleatórios pela perda da comanda também são injustificadas. “É dever do prestador de serviço ter um controle do gasto de cada cliente”, diz Tannuri. 

Casa noturna Fila para entrar Instalações Serviço Fila para pagar CAFE DE LA MUSIQUE

Bom

Apesar da aglomeração em frente à casa, a hostess simpática e eficiente conseguia agilizar o acesso

Regular

Mesas no meio da pista atrapalhavam a circulação

Regular

Funcionários responderam com má vontade a perguntas sobre a casa e o local da saída

Regular

Seguranças não conseguiam conter o empurra-empurra. Houve espera de trinta minutos

OPEN BAR CLUB (GAMBIARRA

Regular

Apesar dos três acessos bem sinalizados, a espera chegava a quarenta minutos

Pésimo

A casa tem goteiras e ar-condicionado que não dá conta do recado. No mezanino, o chão treme quando os frequentadores se empolgam na dança

Muito bom

Os atendentes foram simpáticos e prestativos, tanto no bar quanto na recepção

Pésimo

Há apenas seis caixas para uma festa que recebe cerca de 1 000 pessoas. A espera foi de quase uma hora

GLÓRIA

Muito bom

Não é o tipo de casa em que se passa mais tempo fora aguardando do que dentro se divertindo. A espera, bem organizada, foi de apenas quinze minutos

Bom

Grandes sofás, temperatura amena e banheiros limpos. O único senão é que, de tão abarrotada, é impossível ver o chão na área externa

Bom

Os bartenders foram velozes e os seguranças, atentos e gentis. Havia funcionários ranzinzas no caixa

Bom

A espera foi de vinte e cinco minutos. O pagamento é feito num local isolado do auê

HOT HOT

Bom

Apenas quinze minutos de espera, mas alguns clientes tiveram difi culdade com o sistema de pagamento da casa, de comandas pré-pagas

Muito bom

Com pista espaçosa e lounge confortável, a casa acolhe três máquinas de docinhos e bebidas

Muito bom

Os funcionários do bar foram prestativos e rápidos

Muito bom

Apesar de polêmico, o sistema pré-pago tem a vantagem de diminuir a demora ao sair

KIA ORA

Pésimo

Dava a volta no quarteirão. Houve quem amargasse duas horas de espera

Bom

Havia mesas de sobra para descansar, mas, por causa de alguns banquinhos, o acesso ao bar era desafiador

Muito bom

Havia atendentes solícitos e em quantidade suficiente para servir o público

Regular

Por ocupar um espaço de passagem, a fila da saída se transforma em uma bagunça. A espera foi de trinta minutos

SONIQUE (CAFÉ COM VODKA)

Muito bom

A entrada estava livre e a hostess foi muito educada

Regular

Na noite GLS, os homens dominavam os banheiros femininos e o pessoal no salão lembrava sardinha enlatada

Regular

Funcionou até que o local começou a encher, quando os garçons se perderam na multidão

Muito bom

Mesmo no horário de pico, era possível sair sem grandes dores de cabeça. A espera foi de quinze minutos

VEGAS (POSTIT)

Pésimo

O amontoado de gente chega a invadir uma pista da Rua Augusta. Isso atrapalha o trânsito e põe em risco a clientela

Regular

Muito, mas muuuito calor. Pouco, beeem pouco espaço para dançar

Regular

Não falta boa vontade aos atendentes do bar. Mas eles não dão conta da quantidade de pedidos

Pésimo

Quem entra, quem sai e quem quer recarregar a comanda fica preso num bololô de dar nos nervos. Houve espera de uma hora e meia

VILLA COUNTRY

Bom

Mesmo vagarosa, a fila fluía bem, devido ao sistema de venda antecipada de ingressos

Bom

Há quatro ambientes espalhados por confortáveis 12 000 metros quadrados. Exceção: um chafariz dificulta a passagem na pista menor. O chão brilhava

Muito bom

Há seguranças competentes de sobra

Muito bom

Os cowboys utilizavam um eficiente sistema de fichas pré-pagas

THE WEEK

Muito bom

Os acessos para carros e pessoas eram bem organizados e sinalizados

Muito bom

Há pistas de dança amplas. A área a céu aberto facilita a vida dos fumantes

Muito bom

Mesmo com muita gente em volta, era fácil conquistar a atenção do barman para fazer um pedido

Bom

Com filas que serpenteiam, os baladeiros podem optar por caixas para pagamentos com cartão ou dinheiro. A espera foi de meia hora

Pésimo

Pésimo

Regular

Regular

Bom

Bom

Muito bom

Muito bom

Fonte: VEJA SÃO PAULO