publicidade

Cidade

Os bailes funk da pesada que acontecem na capital

Prefeitura trabalha na repressão de eventos marcados pelo som altíssimo e pela venda de drogas para menores

30.mar.2012 por Pedro Henrique Araújo

Por volta das 23 horas do sábado 17, um comboio formado por 29 carros e quatro motos rasga a Zona Sul a caminho de um bar para atender a uma queixa de perturbação do silêncio. Furando faróis vermelhos e entrando pela contramão, eles percorrem os 4 quilômetros que separam o 37º Batalhão da Polícia Militar do destino final em onze minutos. Um morador grita ao vê-los: “O ‘pancadão’ vai ferver hoje”, diz, numa referência ao apelido das festas funk que estão proliferando na periferia paulistana, uma repetição do fenômeno ocorrido no Rio de Janeiro. A blitz dos policiais tem como alvo a casa noturna B12, também conhecida como “o coração da kebrada”, no bairro de M’Boi Mirim. O clima é tenso. Muitos jovens fogem pelo muro dos fundos, enquanto outros atiram pedras nas viaturas. Saldo da noite: catorze menores encaminhados à delegacia e 36 vidros de lança-perfume e duas máquinas de caça-níquel apreendidas.

+ Frota de carros abandonados cresce na cidade

+ Universidades: o céu e o inferno de viver ao lado delas

Esse tipo de balada, que reúne de 400 a 2.000 pessoas, entrou para a lista de problemas de segurança pública devido ao som ensurdecedor que brota dos alto-falantes (daí o apelido de pancadão) e à grande frequência de adolescentes em lugares onde circulam livremente álcool e drogas ilícitas. Desde janeiro, a Secretaria Municipal de Coordenação das Subprefeituras vem realizando uma operação para coibir e fiscalizar as irregularidades, em parceria com a Guarda Civil Metropolitana e a Polícia Militar. Juntas, elas conseguiram mapear 165 festas que ocorrem periodicamente na capital.

A principal área é a Zona Leste, que concentra quase metade desses eventos, em bairros como Cidade Tiradentes, Itaquera e São Miguel Paulista. Em segundo lugar está a Zona Sul, com 35% dos bailes. “Nosso objetivo é coibir os excessos”, afirma Beto Mendes, subprefeito de M’Boi Mirim, que acompanha pessoalmente os trabalhos. “Quando percebem que há fiscalização, os organizadores começam a desmobilizar a bagunça.”

Batida no Jardim Capelinha, na Zona Sul: o Palio tocava músicas em um volume tão alto quanto o de uma turbina de avião decolando
Batida no Jardim Capelinha, na Zona Sul: o Palio tocava músicas em um volume tão alto quanto o de uma turbina de avião decolando
(Foto: Mario Rodrigues)

As baladas ocorrem em casas noturnas e, sobretudo, em espaços improvisados. É frequente as ruas virarem pistas de dança, com os carros com porta-malas abertos tocando músicas recheadas de letras com sexo e violência de artistas como MC Roba Cena e MC Carol, intérprete do hit “Vou Matar Esse Maconheiro”. Numa operação recente, os soldados apreenderam um Palio vermelho no bairro do Jardim Capelinha, na Zona Sul. O equipamento de som do veículo tocava músicas num volume de 114 decibéis, equivalente ao de uma turbina de avião decolando. “Isso é uma epidemia. A gente não consegue dormir direito, há jovens se drogando e o barulho é ensurdecedor”, protestou uma moradora da região.

+ Grupo Águia, a ajuda que vem do céu

+ Somos todos reféns em São Paulo

Bar no Jardim São Luís, na Zona Sul: as festas que começam ali varam a madrugada
Bar no Jardim São Luís, na Zona Sul: as festas que começam ali varam a madrugada
(Foto: Mario Rodrigues)

No Rio de Janeiro acontecem cerca de 220 festas funk por semana. O negócio chegou a esse tamanho depois de vinte anos de existência. O circuito paulistano, no entanto, já tem 75% do tamanho do carioca em pouco mais de um ano. Outro ponto em comum entre as duas metrópoles é a proximidade dos eventos com o crime organizado. No bairro de Brasilândia, na Zona Norte, há a suspeita de que membros de uma facção criminosa estejam por trás da organização dos pancadões. “Não temos nada contra a diversão”, diz Edsom Ortega, secretário de Coordenação das Subprefeituras. “Mas muitas dessas festas não passam de uma extensão do ponto de drogas dos traficantes.”

MC Roba Cena: o cantor carioca é um dos mais tocados nos carros e casas noturnas da periferia
MC Roba Cena: o cantor carioca é um dos mais tocados nos carros e casas noturnas da periferia
(Foto: Divulgação)

A GEOGRAFIA DO BARULHOQuase metade do problema está concentrada em bairros da Zona Leste

(Foto: Veja São Paulo)

 

publicidade

Avaliação de VEJA SP

Não foi avaliado

Avaliação de VEJA SP

Péssimo

Avaliação de VEJA SP

Fraco

Avaliação de VEJA SP

Regular

Avaliação de VEJA SP

Bom

Avaliação de VEJA SP

Muito bom

Avaliação de VEJA SP

Excelente

Avaliação dos usuários

Ainda não foi avaliado

Avaliação dos usuários

Péssimo

Avaliação dos usuários

Fraco

Avaliação dos usuários

Regular

Avaliação dos usuários

Bom

Avaliação dos usuários

Muito bom

Avaliação dos usuários

Excelente

Avaliação do usuário

Péssimo

Avaliação do usuário

Fraco

Avaliação do usuário

Regular

Avaliação do usuário

Bom

Avaliação do usuário

Muito bom

Avaliação do usuário

Excelente

Péssimo

Fraco

Regular

Bom

Muito bom

Excelente

Comente

Envie por e-mail