Fiscalização

Avião da igreja Universal será leiloado em SP

Aeronave foi apreendida há cerca de quatro anos no aeroporto de Viracopos por falta de documentação

Por: Estadão Conteúdo

Citation longitude
Citation: avião civil mais rápido do mundo, segundo a fabricante (Foto: Divulgação)

A Receita Federal vai leiloar um avião Cessna que pertencia à Igreja Universal do Reino de Deus e foi apreendido no Aeroporto Internacional de Viracopos há cerca de quatro anos por falta de documentação. A aeronave, com oferta mínima de 9 milhões de reais, é uma das centenas de itens confiscados que receberão lances na próxima quarta-feira (27). Entre os objetos colocados à venda estão também instrumentos musicais, toalhas, pen drives e até discos de vinil.

+Pastor da Igreja Universal é morto em assalto na Zona Leste

Na época, o órgão deu um prazo para que os documentos do avião Cessna Citation X fossem entregues, mas eles não foram apresentados. De acordo com a fabricante Cessna, o modelo é a aeronave civil mais rápida do mundo, atingindo velocidade máxima de 1.127 quilômetros por hora.

O equipamento conta com acessórios de luxo, como cozinha completa com refrigerador e forno de micro-ondas, além de espaço para louças e talheres personalizados. O toalete é amplo, funciona também como um vestiário e tem armário para armazenar malas de viagem.

Comodidades

Os passageiros do avião têm à disposição telefones, aparelhos de Blu-ray e uma tela digital que apresenta informações sobre velocidade, altitude e localização da aeronave no globo terrestre. O avião voa com dois motores Rolls-Royce com um sistema que controla o desempenho para os pilotos, sendo exigido bem menos deles durante os voos.

A Igreja Universal não se manifestou sobre o leilão, mas quem o comprar terá a documentação da aeronave legalizada pela Justiça. A visitação dos produtos pode ser feita no Terminal de Perdimento de Viracopos, das 9 horas às 12 horas e das 13 horas às 16 horas, mas é necessário um agendamento prévio.

+Fique por dentro do que acontece na cidade

Fonte: Estadão Conteúdo