Política

55% avaliam gestão Haddad como ruim ou péssima, diz pesquisa

As ciclovias, uma das principais marcas do petista, são aprovadas por 51%

Por: Estadão Conteúdo

Prefeito Fernando Haddad
Haddad: para 12%, a administração é ótima ou boa (Foto: Nilton Fukuda)

Na pesquisa Ibope encomendada pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Carga de São Paulo (SETCESP), a administração do prefeito da capital paulista, Fernando Haddad (PT), é avaliada como ruim ou péssima por mais da metade dos eleitores (55%), enquanto 33% a avaliam de forma regular. Para 12%, a administração é ótima ou boa.

+ Russomanno lidera corrida em São Paulo com 26% das intenções de voto

As ciclovias, uma das principais marcas da gestão do petista, são aprovadas por 51% e rejeitadas por 44%. Para 21%, o tráfego piorou com as ciclovias, para 10% piorou um pouco, para 9% melhorou um pouco e para 9% melhorou muito. Quase metade das pessoas consultadas (47%) disse que a implantação das ciclovias não afetou o trânsito da capital paulista.

Outra marca da gestão Haddad, as faixas exclusivas de ônibus foram aprovadas por 92%. Apenas 7% se disseram contra as faixas. O levantamento mostrou ainda que o meio de transporte mais utilizado pelo paulistano é o ônibus (51%), seguido por automóvel (24%), metrô (13%), trem (4%), motocicleta (2%), nenhum ou a pé (2%), bicicleta (1%) e táxi (1%).

A redução de velocidade nas ruas e avenidas da cidade, outra medida polêmica adotada pela gestão atual, é aprovada por 51% e rejeitada por 46%.

Rodízio

Os paulistanos se mostraram majoritariamente contrários a expandir o rodízio municipal dos automóveis em todas as opções apresentadas. A pesquisa questionou os entrevistados sobre ampliação do horário do rodízio, em que 57% se disseram contrários e 40% favoráveis.

Em relação à opção de passar de um dia para dois dias na restrição de circulação, a ideia é rejeitada por 62% ante 34% a favor. Já a ampliação da área em que vigora o rodízio, para além do centro expandido, 61% dos entrevistados são contra e 36% aprovam a proposta.

Fonte: Estadão Conteúdo