Mundo dos shoppings

Avaliação dos cinemas em shopping de São Paulo

Conheça as melhores e as piores salas

Por: - Atualizado em

Eldorado

Avaliação: excelente (5 pontos)

O melhor complexo da Cinemark na capital abriu as portas em dezembro de 2006. São 2 478 lugares distribuídos em nove salas, a maior com 372 poltronas, as menores com 187. Todas em couro e bem reclináveis. Atração à parte, a sala 9 projeta animações em 3D.

A programação eclética arremata um cinema muito bacana.

Iguatemi

Avaliação: muito bom (4 pontos)

Há duas redes, ambas oferecendo ingressos com lugares marcados.

A chegada da Cinemark, em outubro de 2005, ofuscou as duas antigas salas da PlayArte. Não é para menos. A decoração elegante, a sala de espera espaçosa e a entrada mais cara (21 reais) combinam com o perfil dos clientes. É difícil encontrar uma poltrona vazia no fim de semana – são apenas 1 000 lugares para seis salas.

Pátio Higienópolis

Avaliação: razoável (2 pontos)

É o típico caso de um cinema que não comporta a grande freqüência do shopping. Com apenas seis salas, que somam 966 lugares, o complexo da rede Cinemark é muito apertado. Para piorar, a bilheteria disputa espaço com as mesas e cadeiras das redes de fast-food.

Aricanduva

Avaliação: razoável (2 pontos)

Os complexos do Interlar e do Aricanduva formam, juntos, o maior da Cinemark em São Paulo. São shoppings distintos e sem conexão interna. Há um agravante para os desavisados – quem compra ingresso em um, pode ficar sujeito a ver o filme no outro. Embora o Aricanduva tenha cinco salas de ótimo tamanho, algumas das oito salas do Interlar exalam cheiro de umidade.

Anália Franco

Avaliação: muito bom (4 pontos)

As nove salas em formato stadium da rede UCI têm ótimo espaço entre as poltronas. Quem chega adiantado pode aguardar nas cadeiras posicionadas num cantinho do espaçoso saguão, quase sempre atolado de pôsteres e banners. Banheiros limpos contam pontos.

Morumbi

Avaliação: bom (3 pontos)

Totalmente reformado em 2003 e rebatizado por conta de um patrocínio da TAM, tem decoração retrô-futurista no saguão e um charmoso café de estilo europeu colado à entrada. Dentro das salas, porém, um certo aperto entre as cadeiras denuncia o antigo formato arquitetônico do projeto original. Oferece lugares numerados.

West Plaza

Avaliação: ruim (1 ponto)

As duas únicas salas que restaram foram reformadas em agosto de 2007 pela PlayArte. Mas a melhoria interna não se estendeu ao saguão. Além de acanhado, localiza-se na congestionada praça de alimentação. Há negociações com a Cinemark para um complexo com dez salas.

Ibirapuera

Avaliação: -

Não há cinema. Suas três salas fecharam as portas em abril de 2004. A rede PlayArte, porém, tem projeto de um novo complexo para ser aberto no segundo semestre de 2009.

Center Norte

Avaliação: bom (3 pontos)

As três salas da rede Haway não são páreo para as cinco da Cinemark, todas com boa capacidade, projeção e visibilidade. A bilheteria fica em outro andar – o que gera menos tumulto para comprar o ingresso. Mas a limpeza e a fraca iluminação do hall deixam a desejar.

Villa-Lobos

Avaliação: razoável (2 pontos)

Em novembro de 2006, a Cinemark fez uma reforma para melhorar a comunicação do cliente com os funcionários, retirando os vidros das bilheterias. Mas nada fez para ampliar o espremido espaço.

Salas muito pequenas, como a de número 7 (com 137 lugares), são desconfortáveis.

Fonte: VEJA SÃO PAULO