Comportamento

Aulas de pole dance gratuitas, na Lapa, atraem as mulheres

Acompanhamos uma aula de dança do poste ministrada pela prefeitura

Por: Maria Paola De Salvo - Atualizado em

pole dance_raquel massuia e eliane greggio
Raquel Massuia e Eliane Greggio, personal trainers: as duas instalaram postes em casa e querem abrir uma academia especializada (Foto: Mario Rodrigues)

Meninas, boa noite. Por favor, tirem o salto alto que vamos começar. Só não pode tirar tudo, tá?”, dizia, em tom de brincadeira, a dançarina e professora Alexandra Valença às dezesseis mulheres que assistiam à sua aula de pole dance na noite da última terça (18). A dança sensual em torno de uma barra de ferro ficou famosa em 2007, graças à stripper Alzira, personagem interpretada pela atriz Flávia Alessandra na novela global ‘Duas Caras’. No ano seguinte, a prefeitura passou a oferecer, no Tendal da Lapa, um curso gratuito sobre a técnica. “As vinte vagas se esgotaram logo no primeiro dia de inscrições, e tem sido assim desde então”, afirma o supervisor de cultura da administração municipal, Arthur Secco. “A pole dance é um exercício físico que trabalha a expressão corporal e questões de sexualidade ao mesmo tempo.” Ministradas todas as terças até outubro, as aulas duram duas horas. 

Mario Rodrigues
pole dance_marilia bonello 2166
A estudante Marília Bonello: ela participa do curso pela segunda vez (Foto: Mario Rodrigues)
A estudante Marília Bonello: ela participa do curso pela segunda vez

Mocinhas na faixa dos 20 e poucos anos e donas de casa de cerca de 50 olhavam curiosas para a principal atração da sala: o cano cromado de pouco mais de 1,90 metro de altura com o qual dançariam. No fim do curso, Alexandra garante, a maioria poderá rodopiar e até girar de ponta-cabeça nele. “Vi a técnica na TV e a achei supersensual, sem ser vulgar”, conta a contabilista Danielle Teodoro, 23 anos. “Vou fazer uma surpresa para o meu namorado.” Duas alunas participam do programa pela segunda vez. “Você trabalha todos os músculos e é muito mais divertido que academia”, afirma a estudante Marília Bonello, 22 anos, que já é capaz de ficar de ponta-cabeça no cano, a chamada inversão. “Passei a me sentir mais bonita e poderosa.”

A professora aprendeu a técnica com uma stripper checa que conheceu por acaso durante umas férias no litoral paulista. “Comecei a treinar com ela e, no início, nem meu pai via a coisa com bons olhos”, lembra Alexandra, que foi a responsável pela preparação da atriz Flávia Alessandra para a novela. “É possível perder até 500 calorias em uma hora”, diz a personal trainer Eliane Greggio. Praticante da técnica há quatro meses, ela instalou um poste em casa para treinar e pretende abrir uma academia especializada com a colega Raquel Massuia, também professora de educação física. As alunas já começam a aula suando. Para aquecer e preparar o corpo, elas encaram vinte minutos de alongamento e abdominais. “Coloquem o umbigo para dentro e façam força na barriga”, orienta Alexandra. “E quem tem banha?”, grita uma participante. O primeiro exercício no mastro consiste em segurá-lo com os dois braços, um deles acima da cabeça, e tirar os dois pés do chão. Como a maioria não consegue, a turma cai na risada. A segunda tarefa começa com uma caminhada sensual na ponta dos pés — e a mulherada circula pela sala, gingando e fazendo caras e bocas.

Ao som de ‘Paparazzi’, da cantora Lady Gaga, e à meia-luz, Alexandra engata uma dança sensual, agora longe do mastro. Passa a mão na perna e no braço, deita no chão e finge lambê-lo, com o bumbum empinado. As mulheres a imitam (ou pelo menos tentam). A performance ajuda a soltar o corpo para o último e mais difícil exercício da noite: o giro na posição sentada. Segurando o poste com uma das mãos, elas engancham a parte de trás de um dos joelhos na barra e soltam o corpo para a frente, deixando-o rodar naturalmente. Boa parte delas cai e não consegue completar o movimento. Duas senhoras com cerca de 50 anos, no entanto, se destacam. Uma encara as aulas pela segunda vez. A dona de casa Rosângela Barboza é novata e arranca palmas das colegas. “Aprendi um pouquinho ao observar a pole dance em programas de TV”, revela. Parece ter nascido para aquilo.

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO