Passeios

Atrações para crianças a partir de 5 anos

Elas não vão mais se assustar com palhaços, mágicos e malabaristas

Por: Redação VEJINHA.COM - Atualizado em

Circo de Borracha - Grupo DoisPierre
André Grinberg e Filipe Bregantim: personagens amalucados em "Circo de Borracha" (Foto: Divulgação)

Se por um lado, o circo pode ser uma experiência traumatizante para os mais novinhos, meninos e meninas acima dos 5 já conseguem se divertir com os números circenses. "Isso vai de criança para criança, mas, normalmente, aquela maquiagem dos palhaços assusta o público menor", adverte Estevão Marques, professor e músico do grupo Palavra Cantada. Para ele, o picadeiro se mostra muito mais interessante para os maiores, porque eles entendem a complexidade de algumas apresentações e se encantam com a atração.

+ As melhores atrações para a idade do seu filho

O conselho da socióloga Maria Cecília Aflalo é começar a levar a garotada para conferir exposições também. "Vale a pena visitar qualquer tipo de museu, o contato com a arte é importante para o aprendizado", destaca. Maria Angela Barbato Carneiro, da Brinquedoteca da PUC-SP, ainda sugere que os pais levem mesmo os menorzinhos às mostras. "Em outros países, é muito comum ver adultos com suas crianças no carrinho passeando pelo museu. Tudo uma questão de costume."

  • Espetáculo circense / Circos

    Circo Zanni
    1 avaliação
    A trupe circense entra em curta temporada no Sesc Pinheiros, com um espetáculo que mescla criações inéditas com números clássicos revisitados, novos cenários e figurinos. Números aéreos com liras, tecidos, corda marinha, trapézio em balanço, acrobacias, números de equilíbrio no arame, mágicas e palhaçadas preenchem o palco ao som da banda. Dias 22, 23 e 24/7/2016.
    Saiba mais
  • Depois de fazer uma mostra muito política em 2010, a Bienal de São Paulo chega à trigésima edição mais intimista. Sob o (vago, diga-se) tema “A iminência das poéticas”, o curador venezuelano Luis Pérez-Oramas reuniu cerca de 2.900 obras de 111 artistas. De montagem bem mais organizada e, felizmente, com menos vídeos do que a edição anterior, a exposição acerta ao voltar a dar alguma ênfase à pintura. Os tons claros das abstrações de John Zurier, o talento figurativo de Eduardo Berliner e os jogos cromáticos de Lucia Laguna e Juan Iribarren (acertadamente colocados em salas vizinhas) são dignos de nota nesse gênero. Também não faltam bons fotógrafos: August Sander, Saul Fletcher, Sofi a Borges e Alberto Bitar entre eles. Indispensáveis ainda são as instalações do esquizofrênico e genial Arthur Bispo do Rosário, os exercícios construtivos de Waldemar Cordeiro e as delicadas esculturas de arame da venezuelana Gego. Há excessos (os próprios vídeos, de modo geral), algo típico para um evento desse porte, mas os pontos positivos compensam os problemas. De 07/09/2012 a 09/12/2012.
    Saiba mais
  • Na encantadora mostra, o visitante tem contato com o personagem da literatura em nove lúdicas instalações — apenas uma não permite a interação do público. Cada obra conta uma passagem do livro escrito por Collodi, desde a construção do boneco de madeira por Gepeto até sua transformação em um menino de verdade. O roteiro tem o acompanhamento de guias, e a participação deles contribui para organizar a brincadeira e fazer compreender o contexto dos trabalhos ali apresentados. Entre os pontos altos da exposição idealizada pela ítalo-brasileira Vera Uberti estão a floresta tomada por bolas douradas de vários tamanhos e a sala na qual a meninada deve encontrar as partes de um Pinóquio despedaçado, além do desafio de montar uma colmeia destruída o mais rápido possível. No final, há um corredor em que a sombra do personagem segue os passos do espectador por meio de uma projeção. Até 18/11/2012.
    Saiba mais
  • Batizada com o nome de uma obra literária infantojuvenil, a mostra Tatiana Belinky – Moradora de Livros agrupa peças que exploram a vida e obra da escritora russa que veio para o Brasil ainda pequena e, mais tarde, tornou-se famosa por essas terras. Por meio de recursos cenográficos, tecnológicos e elementos lúdicos, o visitante conhece a trajetória da autora e sua relação com o Brasil — um dos primeiros livros que Tatiana leu em português foi o almanaque do Jeca Tatuzinho, de Monteiro Lobato. Até 15/12/2012. Grátis.
    Saiba mais
  • Museus

    Catavento Cultural e Educacional

    Avenida Mercúrio, s/n, Brás

    Tel: (11) 3315 0051

    14 avaliações

    Entre os dezoito museus administrados pela Secretaria de Cultura do Estado, o Catavento Cultural e Educacional, no Brás, é o mais visitado da capital. As escolas costumam bater cartão no museu educativo Catavento, mas o passeio também fica legal em família. Primeiro ponto para aproveitar: acorde cedo no sábado, dia em que a entrada é grátis. Quem chega lá por volta das 11 horas consegue as senhas para as oficinas mais interessantes do dia. Entre as atividades mais procuradas estão a parede de escada de 7 metros de altura e o estúdio de TV. no espaço Vida, monitores simulam expedições de pesquisa no oceano e abordam a teoria da evolução, de Charles Darwin, de um jeito que entretém adultos e crianças.

    Saiba mais
  • Parques

    Planetário do Ibirapuera

    Avenida Pedro Álvares Cabral, Portão 10, Parque Ibirapuera

    Tel: (11) 5575 5206

    VejaSP
    3 avaliações

    Depois de mais de dois anos fechado para reforma, o Planetário do Ibirapuera volta a ser uma opção de lazer para os paulistanos. Inaugurado em 1957 e reaberto no fim de janeiro, o espaço sempre esteve no currículo de passeios das escolas. Mas vale a pena fazer a visita em família. Primeira dica: programe-se para ir durante este mês de fevereiro. É quando todas as quatro sessões diárias, de terça a domingo, são abertas ao público. A partir de março, o horário se restringirá aos fins de semana. Durante a exibição, todas as luzes se apagam, claro. Por isso, vale ficar de olho na nossa recomendação etária (a partir de 5 anos) e avisar as crianças antes do início que os próximos quarenta minutos serão no escuro. Mas não se preocupe: basta o novo projetor alemão Zeiss Starmaster começar o seu trabalho para que todos fiquem hipnotizados. Na sala de 550 metros quadrados em formato circular, os meninos e meninas deitados em poltronas similares às de cinema podem vislumbrar o céu do verão paulistano de uma forma bem diferente, sem poluição, luzes da cidade ou qualquer nebulosidade. Estrelas, planetas, meteoros e cometas aparecem como bonitos pontos iluminados em um cenário digno de filme. Uma aulinha explicativa acompanha cada trecho da apresentação e entretém inclusive os adultos. Um programa divertido, educativo, grátis e — sem trocadilhos — quatro-estrelas na cotação de VEJA SÃO PAULO. Recomendado a partir de 5 anos.

    Saiba mais
  • Adaptação de Ricardo Karman para a lenda chinesa O Pote Vazio. O ator Gustavo Vaz interpreta um velho imperador da China com uma ideia infalível para escolher o herdeiro de seu trono. Ele entrega uma semente a cada criança do reino e avisa: o sucessor será aquele que cultivar a flor mais bela após um ano. Biliri (papel de Nathália Guillen) é um menino apaixonado pela natureza. O garoto utiliza um vaso mágico, coloca adubo nele, dá carinho a sua plantinha e conversa com ela. Mesmo assim, ela nunca germina. Incentivado pelo pai (Mario De La Rosa), Biliri revela ao imperador o seu fracasso e, para a surpresa de todos, vence o desafio. Com cenografia de José de Anchieta, o espetáculo brinca com elementos reais e recursos em vídeo para representar o tradicional teatro de sombras chinês. Competente, o elenco entra no plano bidimensional e salta das animações, deixando a plateia suspeitar da existência de manipuladores por trás da tela. Estreou em 09/07/2011. Prorrogado até 10/11/2012.
    Saiba mais
  • Com mensagem focada na preservação do meio ambiente, a montagem tem direção e produção assinadas por Mauro Sousa, o oitavo dos dez filhos de Mauricio. Escrito pela equipe dos Estúdios Mauricio de Sousa, o texto conta como Franjinha inventou uma poção secreta capaz de limpar tudo o que está sujo. O jovem cientista, porém, acaba atrapalhado pelo barulhento grupinho formado por Mônica, Cebolinha, Cascão e Magali. Os amigos causam a maior confusão em seu laboratório e, enquanto tentam arrumar a bagunça, encontram a tal fórmula. Surge então a ideia de usá-la para pôr fim à poluição no mundo. Dorinha e Chico Bento também participam da missão. A aventura é ambientada em três cenários: o laboratório, o Bairro do Limoeiro e o Ribeirão da Roça. Em cena, canções e mais quatro atores contribuem para narrar a história. Estão prometidos momentos com figurinos diferenciados e projeções de desenhos animados feitos especialmente para as apresentações. Estreou em 20/10/2012. Até 18/11/2012.
    Saiba mais
  • Sabia que o maior velociraptor já encontrado estava enterrado no Brasil? E que, na verdade, o Dilofossauro não cospia veneno, ao contrário do que aparece no filme Jurassic Park (1993)? Essas e outras curiosidades são contadas pelos monitores da exposição, que traz uma floresta repleta de dinossauros. O passeio começa com um filme em 5D não muito empolgante. Depois, o visitante é levado para acompanhar de perto o movimentos dos olhos, cauda e a respiração de nove espécies de animais pré-históricos. Vindos da Itália, os bichões impressionam principalmente as crianças mais crescidas. Prorrogada até 28/02/2013.
    Saiba mais
  • Parques

    Instituto Butantan

    Avenida Doutor Vital Brasil, 1500, Butantã

    Tel: (11) 3726 7222

    3 avaliações

    Abriga um complexo com três museus. No Biológico, há noventa animais, entre cobras, aranhas, sapos, lagartos e escorpiões. Através de microscópios instalados no Museu de Microbiologia, a garotada pode observar bactérias e fungos. Completam a excursão o serpentário — ao ar livre — e o Museu Histórico, que mostra a trajetória do centro de pesquisas fundado em 1901. Reserve no mínimo duas horas para conhecer tudo.

    Saiba mais
  • Museus

    Museu de Microbiologia, Micróbios e Vacinas

    Avenida Doutor Vital Brasil, 1500, Butantã

    Tel: (11) 2627 9540 ou (11) 3726 7222

    Sem avaliação
  • Está tudo ali. O rei foi assassinado, Ofélia enlouquece e se suicida, o pai e o irmão dela são mortos e Hamlet consegue se vingar do tio. Mas não há motivo para pais ou acompanhantes adultos se preocuparem. O mérito da ótima O Príncipe da Dinamarca, é justamente não omitir nada de Hamlet, cujo texto original foi escrito por Shakespeare entre 1599 e 1601. Trata-se da terceira, e melhor, investida do autor, ator e diretor Angelo Brandini, dos Doutores da Alegria, no universo do dramaturgo inglês depois de Rei Lear (transformada em O Bobo do Rei) e Otelo (Othelito). No palco, a companhia Vagalum Tum Tum envolve a plateia de imediato. Hamlet recebe a visita do fantasma do pai, que lhe conta a verdade sobre sua morte e exige vingança. Cláudio, o tio do príncipe, matou o rei da Dinamarca para ocupar o trono. A fim de desmascará-lo, o protagonista finge estar louco e bola um plano. Mas Cláudio descobre tudo e tenta virar o jogo. Estreou em 1º/10/2011. Até 28/6/2015.
    Saiba mais
  • Museus

    Museu do Futebol

    Praça Charles Miller, s/n, Pacaembu

    Tel: (11) 3664 3848

    7 avaliações

    Impossível não se contagiar de cara com a atmosfera boleira deste museu cravado debaixo das arquibancadas do Estádio do Pacaembu. Todas as atrações são multimídia e interativas. Projetores exibem fotografias gigantes de ídolos como Pelé, Garrincha, Zico e Ronaldo. Numa sala, fotos antigas contextualizam os primórdios do esporte no Brasil. Há muito material em vídeo, mostrando dribles, gols e jogadas marcantes. Quem quiser se aventurar (sobretudo as crianças), pode brincar de cobrar um pênalti e medir a velocidade do chute numa atração ou jogar com uma bola virtual em outra. Duas experiências arrepiam os visitantes: imagens de torcedores incentivando aos berros seus times, projetadas em telões debaixo das arquibancadas, e o acesso para ver (e fotografar, é claro) o gramado verdinho do Pacaembu. Em outra sala, telas em alta definição apresentam a história das copas e a participação da Seleção em cada uma delas. Difícil é sair de lá sem querer gritar “Brasil, Brasil, Brasil”.

    Saiba mais
  • Parques

    Casa de Pedra

    Rua Venâncio Aires, 31, Perdizes

    Tel: (11) 3879 6800

    VejaSP
    Sem avaliação

    Brincar sozinho não tem graça na Casa de Pedra. A melhor forma de curtir o parque de escalada indoor é acompanhado, seja pelos pais ou pelos instrutores do local. O motivo? É necessário sempre que alguém segure a corda de segurança dos alpinistas. Os iniciantes podem começar se aventurando em duas paredes menores, com cerca de 2 metros cada uma. Elas podem ser desbravadas sem os equipamentos de apoio. Caso o participante se desequilibre e caia, colchões macios estão dispostos para amortecer o impacto. Para conseguir subir cada vez mais alto, além de usar a força nos braços e nas pernas, é preciso estar atento às marcações na parede. Elas indicam o caminho até o topo, distante 14 metros do chão, e são uma forma de medir seu progresso. Outra dica indispensável é usar roupas confortáveis e que deixem as crianças com os movimentos bem livres. Apesar de o local oferecer sapatilhas, a quantidade é limitada — o mais indicado é sair de casa de tênis. Quem tem medo de altura mas quer aprender outra prática esportiva pode testar seu equilíbrio no slackline, uma fita esticada sobre a qual o objetivo é (tentar) caminhar de uma extremidade a outra, sem cair.

    Saiba mais
  • Autódromos

    Kart In - Jaguaré Racing Club

    Avenida Jaguaré, 1133, Jaguaré

    2 avaliações
  • De Fernanda Maia. A boa montagem homenageia o centenário de nascimento do compositor Noel Rosa, comemorado no ano passado. Chico (Tiago Carreira), um sambista que não quer saber de trabalho, tenta pedir a mão de Isabel (Bárbara Boonie). Mas a ambiciosa tia da moça (Lourdes Gigliotti) prefere que ela se case com um homem mais velho e rico, o comendador Lacerda (Tiago Ledier). Os pretendentes travam um duelo para conquistar a jovem, enquanto canções como Pierrô Apaixonado, Seja Breve e Mulher Indigesta contribuem para a narração da história. Estreou em 12/02/2011. Até 09/12/2012.
    Saiba mais
  • De Rafael Curci. Totalmente sem diálogos, o espetáculo da Cia. Fios de Sombra esbanja delicadeza ao levar ao palco a história de um homem sonhador e solitário (interpretado por Lucas Rodrigues). Ele costumava construir castelos e figuras de areia na praia. Um dia, deu forma a um menino que, num passe de mágica, ganhou vida e passou a brincar com seu criador. Em um sonho, o garotinho ouve uma sereia chamar seu nome do fundo do mar e apaixona-se por ela. Graças ao bom desempenho de Rodrigues, o monólogo dirigido pelo uruguaio Rafael Curci consegue deixar a plateia vidrada em seus quarenta minutos de duração. Também contribuem para isso a bela trilha sonora de Gustavo Sapatocco e a sincronia precisa entre a música e os movimentos do ator. Estreou em 03/06/2012. Até 16/12/2012.
    Saiba mais
  • Em um hospital psiquiátrico, três homens começam a dar vida aos utensílios da cozinha para passar o tempo. A direção precisa e o roteiro delicado de Henrique Sitchin encantam a plateia. O elenco talentoso, formado por Rafael Senatore, Gabriel Sitchin, filho de Henrique, e Hugo Reis, reforça o poder da imaginação, e a plateia rapidamente embarca na viagem. Estreou em 1°/7/2012. Dias 21 e 22/3/2015.
    Saiba mais
  • Lembra do Prático, do Heitor e do Cícero, os porquinhos perseguidos pelo Lobo Mau? Esqueça. Aqui, a história começa com a caricata dupla Pipo e Pepe, donos de um açougue bem diferente. Em vez de carne de verdade, eles vendem carne de bicicleta, de martelo, de óculos... Até o dia em que recebem uma encomenda de carne de porco. Está feita a confusão. Pipo parte para o sítio de Tia Porpeta, onde vivem os Três Porquinhos. As atrizes da Cia. Le Plat du Jour se revezam e equilibram nonsense com técnicas de palhaço e mímica. Recomendado a partir de 3 anos. Estreou em 6/9/2003. Até 31/8//2016.
    Saiba mais
  • Criação coletiva do Grupo DoisPierre. Recheada de números clássicos dos picadeiros, a atração cativa com uma história simples. Um palhaço malabarista (Filipe Bregantim) exibe seus talentos sobre um monociclo, mas o pneu fura no meio da apresentação. Para resolver o problema, ele procura a oficina do Seu Cadu (André Grinberg). Ali, em vez de consertarem o equipamento, eles começam a brincar com as ferramentas espalhadas pelo local. Não demora para que a banheira, típica das borracharias, se transforme em um instrumento para espirrar água no rosto de quem estiver por perto. Estreou em 06/10/2012. Dias 29 e 30/3/2014.
    Saiba mais

Fonte: VEJA SÃO PAULO