Onda de Protestos

Manifestantes fecham Avenida Paulista em ato contra governador do Rio

Dez agências bancárias foram depredadas; trânsito bateu recorde na cidade

Por: Redação Veja São Paulo - Atualizado em

Em dia de recorde de congestionamento, cerca de 350 manifestantes fecharam no início da noite desta sexta-feira (26) a Avenida Paulista, em solidariedade aos protestos no Rio. Eles pediam a saída do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral. O ato foi organizado pelas redes sociais. Dez agências bancárias da avenida foram depredadas. Além disso, alguns participantes que seguiram pela Avenida Treze de Maio depredaram e tentaram incendiar um veículo da TV Record, mas foram impedidos pela Polícia Militar. 

Entre as palavras de ordem estão "Vem pra rua vem contra o Cabral" e "O carioca é meu amigo, mexeu com ele, mexeu comigo". O governador Geraldo Alckmin também é lembrado pelos manifestantes. No Facebook, o grupo organizador citou três exigências para o protesto: a saída do governador Sérgio Cabral, rejeição do decreto que criou a Comissão Especial de Investigação de Atos de Vandalismo em Manifestações Públicas e contra a repressão policial.

Após a polícia dispersar os manifestantes que estavam na Avenida Treze de Maio, um grupo com cerca de 150 pessoas retornou à Avenida Paulista pela Av. Brigadeiro Luis Antônio. Houve contronto com a PM, que disparou bombas de gás lacrimogêneo. De acordo com informações da Secretaria de Segurança Pública, seis pessoas foram fichadas. Outras duas foram presas e encaminhadas à Polícia Federal por portarem cartões clonados da Caixa Econômica Federal. Imagens do circuito interno das agências bancárias depredadas auxiliarão a polícia nas investigações.

Trânsito

A cidade de São Paulo registou recorde histórico de trânsito nas ruas. Às 19h30, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) informou que haviam 300 quilômetros de filas nas vias da capital. Os principais índices ficaram na Zona Sul (74 quilômetros) e Zona Oeste (80 quilômetros).

De acordo com o órgão, a Marginal Tietê tinha 18,3 quilômetros de fila, nas vias expressa e local, e a Marginal Pinheiros, sentido Castelo Branco, 14,5 quilômetros.

O recorde até o momento havia sido registrados no dia 1º de junho de 2012, às 19h30, com a marca de 295 quilômetros. Este ano, o recorde havia sido marcado no dia 12 de junho, no mesmo horário, onde a cidade teve 282 quilômetros de filas. 

A CET indica aos motoristas que evitem a região da Avenida Paulista por conta de uma manifestação que bloqueia totalmente os dois sentidos da via (Consolação e Paraíso), na altura da Alameda Casa Branca.

 

 

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO