Onda de Protestos

Ato contra Alckmin termina em confronto com a PM e cinco detidos

Manifestação chegou a fechar os dois sentidos da Avenida Rebouças; agências bancárias foram depredadas

Por: Redação Veja São Paulo - Atualizado em

Cerca de 300 pessoas, de acordo com a Polícia Militar, fecharam ruas e avenidas de São Paulo na noite desta terça-feira (30) em um protesto contra o governador Geraldo Alckmin. Durante o ato, alguns manifestantes depredaram agências bancárias e entraram em conflito com a Polícia Militar. Pelo menos cinco pessoas permaneciam detidas até a manhã desta quarta (31).

Após se dirigirem ao vão livre do Masp e depois de fechar um faixa da Avenida Paulista, a manifestação se dispersou por volta das 22h20. Segundo a assessoria de imprensa da PM, vinte pessoas foram detidas para averiguação no 14º Distrito Policial, em Pinheiros.

protesto 30 julho policia
Batalhão de choque fecha a Avenida Rebouças (Foto: Reprodução / Globo News )

O grupo se reuniu às 18 horas no Largo da Batata, na região de Pinheiros, seguiu pela Brigadeiro Faria Lima e subiu a Avenida Rebouças, que chegou a ser bloqueada nos dois sentidos. Durante a passeata, alguns participantes depredaram agências bancárias. Houve conflito com a PM, que disparou bombas de gás lacrimogêneo. Duzentos e vinte homens foram destacados para a operação.

Por volta das 21h30, outro grupo menor, com cerca de 150 manifestantes, se concentrou no vão livre do Masp e bloqueou a Avenida Paulista no sentido Consolação. A manifestação foi acompanhada por um grande contingente policial. 

Na última sexta-feira (26), protesto contra o governador do Rio Sérgio Cabral, fechou a Avenida Paulista e pelo menos doze agências bancárias foram destruídas.

Fonte: VEJA SÃO PAULO