Manifestação

Ativistas protestam contra a criação de vagão rosa

Feministas não concordam com a lei que cria o espaço exclusivo em trens para mulheres em São Paulo

Por: Redação VEJASAOPAULO.COM - Atualizado em

Ativistas realizaram um ato nesta sexta-feira (18) em frente à Estação Sé do Metrô para protestar contra a lei que cria o espaço exclusivo em trens para mulheres em São Paulo. As feministas acreditam que o vagão rosa não é a solução para acabar com os abusos contra s mulheres.

+ Grávida dá à luz a menina dentro da estação República do metrô

O projeto de lei foi aprovado pelos deputados estaduais no dia 3 de julho. De acordo com a norma, Metrô e CPTM são obrigados a destinar no mínimo um vagão em todas as composições, exceto nos fins de semana e feriados.

A discussão sobre a criação do espaço exclusivo ganhou força depois que um homem imobilizou e forçou uma mulher a tirar a calça dentro do trem da Linha 7 - Rubi, da CPTM, em março deste ano. O estudante de administração Adilton Aquinio dos Santos, de 24 anos, ejaculou na perna da mulher, que gritou. 

+ Ornamento de bronze é furtado do Monumento à Independência

Ele foi espancado por outros passageiros e preso quando a composição chegou na estação. Depois desse incidente, outros casos de "encoxadores" vieram à tona, obrigando a polícia a colocar agentes infiltrados para reforçar a segurança.

De acordo com o deputado Jorge Caruso (PMDB), autor do projeto, o vagão poderá minimizar o assédio às mulheres. "Essa situação é constrangedora para quem é obrigada a utilizar esse meio de transporte para ir e vir do trabalho", diz na justificativa.

Fonte: VEJA SÃO PAULO