Consumo

5. As novas importadoras de vinhos

Estão no time das novatas as pequenas CultVinho, especializada em rótulos espanhóis, e La Cave Jado, voltada para exemplares mais simples elaborados na França

Por: Arnaldo Lorençato, Giovana Romani e Helena Galante - Atualizado em

Cave Wines - vinhos_2160
Cave Wines: venda de rótulos na loja da parceira Enoteca Decanter (Foto: Mario Rodrigues)

Empresas como Expand, Mistral, Interfood, Casa Flora, World Wine, Vinci e Grand Cru oferecem, juntas, perto de 10 000 rótulos de vinho. Às grandes, vieram se somar nos últimos tempos pelo menos dez novas importadoras. “Cada vez mais as pessoas estão procurando garrafas de boa qualidade”, diz Adilson Carvalhal Júnior, da Associação Brasileira dos Exportadores e Importadores de Bebidas e Alimentos. “Esse interesse impulsionou as importações.”

Estão no time das novatas as pequenas CultVinho, especializada em rótulos espanhóis, e La Cave Jado, voltada para exemplares mais simples elaborados na França. Aberta em novembro, a Vinos Y Vinos traz garrafas do Chile, Argentina, Itália e França. “Nossos custos de operação são baixos e, por isso, conseguimos colocar preços mais competitivos”, afirma o gerente Gilmar Oliveira. Em atividade desde 2008, a Cave Wines associou-se à Decanter para abrir a charmosa Enoteca Decanter (na foto), no Itaim Bibi. “Queremos ampliar o consumo de vinho por aqui”, diz o diretor comercial Leandro Arouca. “O brasileiro bebe em média pouco mais de duas taças de vinho de qualidade por ano, número muito baixo.”

Entre as estreias mais atraentes do ano passado, encontra-se a Ravin, de Rogério D’Avila e Alberto Porto Alegre. A exemplo da maioria das novatas, não dispõe de ponto de venda, atendendo por telefone ou distribuindo seus produtos em várias lojas. Com catálogo montado a partir de diversas marcas antes associadas à Expand, a Ravin terminou o ano passado atingindo 4 milhões de garrafas comercializadas. “Neste ano, pretendemos chegar a 20 milhões”, conta Porto Alegre.

Fonte: VEJA SÃO PAULO