Memória

Artistas lamentam morte do sambista Paulo Vanzolini

Por: Redação VEJA SÃO PAULO - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Artistas lamentam a partida do cantor e compositor Paulo Vanzolini, que morreu na noite de domingo (28), aos 89 anos, por conta de complicações de uma septicemia, infecção generalizada causada por bactérias que infectam o sangue. Ícone do samba paulistano, o artista presenteou a cidade com Ronda, uma de suas obras mais famosas. Leia abaixo a repercussão.

+ Autor do clássico "Ronda", Paulo Vanzolini morre aos 89 anos

+ Relembre músicas que falam sobre São Paulo

“Um dos melhores compositores do Brasil. Ele fez o hino de São Paulo, Ronda. Ele era cobra. Raramente nos falávamos, mas eu soube pela filha dele que ele gostava da minha versão de Ronda. Ele era muito criterioso.”

Jards Macalé, cantor e compositor à VEJINHA.COM

"É uma perda grande, ele foi um grande músico, um grande poeta. Como dizia Ciro Monteiro, “só morre quem não presta”, então ele está bem vivinho, o legado, a obra dele está toda aí. Daqui cem anos vamos continuar ouvindo Ronda, música de verdade toca para sempre, fica para a vida toda."

Wilson das Neves, cantor e compositor à VEJINHA.COM

"No tempo em que Paulo Vanzolini esteve aqui só fez coisas bacanas. Infelizmente ele se foi, mas deixou uma boa história. Gravei no meu novo trabalho o samba "Volta por Cima" e esta gravação acabou sendo uma homenagem."

Zeca Pagodinho, cantor e compositor à VEJINHA.COM

"Em 1968, o Jogral era o bar do Carlos Paraná, ficava na Rua Augusta e era frequentado pela boemia paulistana. Um deles, que habitualmente bebia sua pinguinha por lá, era Paulo Vanzolini. Eu já tinha amizade com ele, um letrista com quem sempre quis fazer alguma coisa. Numa noite, no Jogral, ele chegou para mim e escreveu em um papelzinho duas estrofes. Fiquei com aquele papel, e demorei para fazer a música. Criar uma melodia para uma letra já pronta é um grande desafio. A melodia tem de ter força própria, parecendo que foi feita independente da letra. Ainda mais uma letra de Paulo Vanzolini, objetiva, concisa, exata. Por isso foi trabalhoso achar uma linha melódica natural para Boca da Noite, minha primeira canção com Paulo Vanzolini. Depois fizemos mais duas canções, Noite Longa e No Fim Não Se Perde Nada. Vanzolini tinha um estilo próprio de compor e de viver. Cientista da vida e da palavra objetiva. Mais uma lacuna para a cultura brasileira."

Toquinho, compositor e violonista à VEJINHA.COM

"Foi um privilégio muito grande para nós todos os shows que fizemos do Paulo ao longo dos últimos anos. Já havia se tornado uma tradição comemorarmos seu aniversário na Casa de Francisca. O Paulo cantando ao lado da Ana, sua mulher, e emocionando a todos com tantas histórias inesquecíveis da sua trajetória e da música brasileira. Este ano não seria diferente, mas infelizmente não foi possível. Seguramente continuaremos por aqui celebrando todos os anos a grandeza do Paulo como homem e como artista, um dos maiores que já conhecemos."

Rubens Amatto, fundador da Casa de Francisca à VEJINHA.COM

“O samba da cidade cinza fica mais triste nesta noite, esteja em paz professor/doutor/mestre Paulo Vanzolini, tentaremos dar a volta por cima.”

Emicida, rapper (via Twitter)

“‘De noite, eu rondo a cidade a te procurar, você não está...’ Viva pra sempre em nossos corações, Paulo Vanzolini, e na glória do Pai. Amém.”

Péricles, cantor e compositor (via Twitter)

Fonte: VEJA SÃO PAULO