Paulistana Nota Dez

Artista plástica espalha consciência ambiental e integração com a natureza

Gáucha radicada em São Paulo, Floriana Breyer ministra cursos sobre sustentabilidade e até já morou numa casa suspensa em árvore do Parque do Ibirapuera

Por: Ricardo Rossetto - Atualizado em

Floriana Breyer - Paulistana Nota Dez
"O paulistano precisa aprender a respeitar a natureza", diz a artista plástica Floriana Breyer (Foto: Mario Rodrigues)

Uma intervenção artística no entorno da Represa Billings, na Zona Sul, durante a comemoração do Dia Mundial da Água, no sábado 22, levou dezenas de pessoas — unidas sob um grande tecido branco representando o mar — a percorrer quilômetros pelas matas da região para promover a consciência socioambiental. A iniciativa foi idealizada pela artista plástica Floriana Breyer, gaúcha radicada em São Paulo desde os 16 anos que abraçou a permacultura, estilo de vida que visa a melhor integração dos humanos com a natureza.

Seca e falha de gestão causam crise de água em São Paulo

Nos últimos dez anos, ela tornou-se uma espécie de embaixadora da causa, ministrando oficinas sobre tecnologia verde em locais públicos, com dicas para o uso de produtos menos tóxicos e sobre como tornar mais eficiente o consumo doméstico de energia.

Além dos cursos, Floriana protagoniza ações ousadas pela cidade. Em 2008, construiu casas suspensas em árvores no Parque do Ibirapuera, onde morou por dez dias pendurada nos galhos com outras cinco pessoas “experimentando novas formas de coexistência com a natureza”. No ano seguinte, escalou o Minhocão à procura de plantas incrustadas no concreto e produziu arranjos florais, dentro do projeto GerminAções.

Para viabilizar suas ideias, ela fecha parcerias com órgãos da prefeitura como a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente e coletivos como o Grupo Urubus, que oferecem desde espaços até financiamento.

Sua relação com a luta ambiental é ainda marcada pela participação na trupe Os Sustentáveis, formada por ela e outras três pessoas, que dissemina práticas do gênero de forma divertida desde 2004. No grupo, ela se apresenta como Fiorela Verdi, uma “guerrilheira verde”.

“Meu objetivo é modificar a paisagem dura de São Paulo”, explica. Essa transformação começa por seu próprio apartamento,em Santa Cecília. Ali, Floriana reformou os cômodos para aproveitar a luz natural, rega suas plantas com uma cisterna, usa utensílios domésticos que funcionam sem eletricidade e à base de manivela e configurou a descarga do vaso sanitário para reutilizar a água do chuveiro.

No dia 13, ela lança o livro Manual do Guerrilheiro Verde Mirim, uma ficção dirigida a crianças que mostra como cuidar do planeta por meio de pequenas ações. “O paulistano precisa aprender a respeitar a natureza para viver melhor”, diz

Nome: Flroriana Breyer

Profissão: artista plástica

Atitude transformadora: realiza ações educativas e ministra cursos para promover a consciência ambiental

Fonte: VEJA SÃO PAULO