Violência

Depois de arrastão, chef do Ruella quer mobilizar outros restaurantes

Casa foi assaltada na noite de quinta-feira (30); ação demorou apenas 5 minutos

Por: Juliana Deodoro - Atualizado em

Depois do restaurante Ruella, no Itaim Bibi, sofrer um arrastão na noite desta quinta-feira (30), a chef Danielle Dahoui quer se juntar a outros chefs e donos de restaurantes para exigir mais segurança. Ela pretende fazer um abaixo-assinado para levar aos governantes suas reivindicações. "Não vou ficar quieta e me esconder. O que está errado é o sistema, é a corrupção. Os governantes precisam fazer a parte deles, porque eu faço a minha. Pode ser que não dê em nada, mas vou tentar."

Por volta das 23 horas, quatro homens - um deles armado - renderam os seguranças e o manobrista do restaurante. Dois suspeitos entraram no estabelecimento com os funcionários e começaram a roubar os clientes. Bolsas, joias, celulares e dinheiro eram colocados em cima das mesas. Segundo Danielle, dos 70 clientes que estavam no local, 19 tiveram pertences roubados. "Eles eram profissionais. Foram de uma rapidez, agilidade e profissionalismo tão grande que muitos clientes não entenderam o que aconteceu, parecia brincadeira", conta. "Não foi uma coisa assustadora, assustador é que o governo não faz nada."

O humorista Felipe Andreolli, que estava no restaurante com a família, relatou em seu blog o que aconteceu no local. "Nossa mesa era a última, no canto, e eles repetiam que quem escondesse algo ia tomar tiro, os caras tavam (sic) tão loucos que quando passaram na nossa mesa - nossas carteiras, relógios e celulares em cima da mesa - só levaram a correntinha da minha cunhada e celular do meu irmão. Num piscar de olhos eles tinham sumido na neblina, como diria o Mano Brown", escreveu.

A chef afirma que o restaurante abrirá normalmente nesta sexta-feira (31) e que todas as reservas foram preenchidas. "Tomei todas as medidas de segurança. Não tenho que ter segurança armado, isso não é faroeste. Eu vou exigir do estado que nos dê o que merecemos, que é saúde, segurança, escola."

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, dois suspeitos presos por outro assalto - um jovem de 18 anos e um adolescente de 17 - não foram reconhecidos pelas vítimas. Entre os funcionários, apenas a recepcionista, que não estava uniformizada, teve o celular roubado.

No 15º. Distrito Policial, responsável pelo policiamento na região do Itaim Bibi, foram registrados 441 roubos, 1 130 furtos e 2 latrocínios nos primeiros quatros meses deste ano.

Fonte: VEJA SÃO PAULO