Shows

Com 'Acústico MTV', Arnaldo Antunes revê seus trinta anos de trajetória

Cantor apresenta canções dos Titãs, dos Tribalistas e de sua carreira solo no palco do Credicard Hall

Por: Carol Pascoal - Atualizado em

Arnaldo Antunes - Shows - 2284
O cantor e compositor: “Eu me seguro para ficar no banquinho, mas não aguento” (Foto: Divulgação)

Elétrico no palco desde a época dos Titãs, o cantor e compositor Arnaldo Antunes comemora os trinta anos em atividade com o "Acústico MTV", lançado em maio. Apesar de o formato desplugado sugerir uma certa tranquilidade, ele não economiza em danças e giros, como o público pôde comprovar na série de seis exibições com ingressos esgotados realizada em junho no Sesc Belenzinho. Acompanhado por uma banda talentosa — formada por Betão Aguiar (baixo, guitarra e violão), Chico Salem (violão e banjo), Curumin (bateria), Edgard Scandurra (violão) e Marcelo Jeneci (teclados e acordeão) —, o artista leva o mesmo espetáculo ao Credicard Hall. “Foi um desafio e uma novidade interessante fazer um show mais sereno”, diz. “Eu me seguro para ficar no banquinho, mas não aguento e acabo levantando e dançando.”

+ Tudo sobre os shows que agitam a cidade

+ Leia a entrevista de Carol Pascoal com Arnaldo Antunes

A cenografia da apresentação é graciosa. Criada pelo estilista Marcelo Sommer, assim como o figurino, ela consiste em um carrossel adornado com uma cúpula de luzes semelhantes às de quermesse. Como o repertório abrange diferentes fases da trajetória de Arnaldo Antunes, a plateia costuma reunir fãs novos e antigos.

Além de faixas dos Titãs ("Comida" e "Hereditário"), dos Tribalistas ("Passe em Casa") e da carreira-solo ("A Casa É Sua" e "Envelhecer"), há canções autorais registradas por outros intérpretes ("Alma") e as inéditas "Dentro de um Sonho" e "Ligado a Você". “Eu queria um equilíbrio entre músicas de sucesso e do lado B, contudo o critério principal foi o que eu estava com vontade de cantar”, explica.

Fonte: VEJA SÃO PAULO