Imóveis

Apartamentos de 40 metros quadrados ganham espaço no mercado

Com serviço de manicure, bicicletário e lavanderia, os minirresidenciais tem metro quadrado de 15 000 reais

Por: Lívia Roncolato

Elaine Pagani - ed. 2333 - microapartamentos
A executiva Elaine: renda garantida (Foto: Fernando Moraes)

Antigamente, os apartamentos menores eram simples caixotes sem graça e serviam como única alternativa para quem não podia pagar por um maior. Nos últimos tempos, o setor imobiliário da cidade vem mudando essa lógica. Uma das novas tendências da área é fazer lançamentos de até 40 metros quadrados em bairros nobres, como Jardins e Itaim.

+ Arquitetos sugerem decorações inteligentes para pequenos apartamentos

De janeiro até junho, surgiram 348 unidades com essas características, número maior que o registrado em todo o ano passado. Eles compensam a falta de espaço com uma boa oferta de serviços dentro do condomínio, como lavanderia de uso comum, bicicletário e manicure. “Enxugamos a metragem e ganhamos mais clientes”, afirma Marcelo Moralles, diretor de desenvolvimento da imobiliária Fernandez Mera, responsável por cerca de cinquenta empreendimentos desse tipo. 

minirresidenciais_tabela
(Foto: Veja São Paulo)

As unidades menores, com 35 metros quadrados, reúnem sala, cozinha, área de serviço, banheiro, quarto e, acredite, terraço (pequeno, é claro). Segundo levantamento da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), o metro quadrado dos minirresidenciais custa cerca de 15 000 reais, o dobro da média do mercado.

Seu público é formado por pessoas que não precisam de muito espaço, mas fazem questão de viver em um local com arquitetura moderna e alguns luxos, como a executiva Elaine Pagani. Ela mora sozinha durante a semana em um imóvel de 37 metros quadrados no Itaim e divide com o marido fazendeiro uma casa doze vezes maior em Novo Horizonte, a 400 quilômetros da capital. Adquiriu o apartamento em 2006 por 126 000 reais. “Hoje, ele vale pelo menos 550 000”, comemora.

Fonte: VEJA SÃO PAULO