Revisita

Antunes Filho volta a Nelson Rodrigues em “Toda Nudez Será Castigada”

Diretor que montou diversos espetáculos do dramaturgo carioca estreia no Sesc Consolação

Por: Redação VEJINHA.COM - Atualizado em

Toda Nudez Será Castigada
Ondina Clais Castilho e Leonardo Ventura protagonizam 'Toda Nudez Será Castigada', adaptação do diretor Antunes Filho para a tragédia de Nelson Rodrigues (Foto: Emidio Luisi)

No ano do centenário de nascimento de Nelson Rodrigues, novas versões de peças que têm o carioca como autor aparecem a cada mês nos palcos paulistanos. Mas nesta sexta-feira (5) estreia – no Teatro Anchieta do Sesc Consolação – uma montagem de peso: Toda Nudez Será Castigada, com direção de Antunes Filho, um dos grandes nomes do teatro brasileiro.

Nelson Rodrigues não é novidade para o diretor. Antunes tem em seu currículo montagens como A Falecida (1965), Bonitinha, mas Ordinária (1974) e Vestido de Noiva (teleteatro apresentado na TV Cultura em 1974). Ele é o criador do Centro de Produção Teatral, o CPT.

Escrita em 1965 e levada às telonas pelo cineasta Arnaldo Jabor oito anos mais tarde, a tragédia de Toda Nudez narra a história de Herculano (interpretado por Leonardo Ventura), um viúvo que se apaixona pela prostituta Geni (papel de Ondina Clais Castilho). O sentimento transforma a vida do homem, principalmente diante da oposição do filho, Serginho (vivido por Lucas Rodrigues).

Confira abaixo os outros espetáculos escritos por Nelson Rodrigues que estão em cartaz:

Valsa Nº 6

O único monólogo escrito pelo dramaturgo conta a história de Sônia, uma garota de 15 anos morta com uma facada. Sob a direção de Eric Lenate, Renata Calmon interpreta a personagem que, em uma reflexão profunda, tenta reconstituir sua vida e entender como morreu.

Boca de Ouro

Em caracterização inspirada, o ator Marco Ricca dá vida ao bicheiro. Nascido na pia de uma gafieira, Boca compensa o complexo de inferioridade trocando a dentadura natural por uma feita de ouro.

Doroteia

Responsável por Tim Maia - Vale Tudo, o Musical e Maria do Caritó, o diretor João Fonseca também investe no universo rodriguiano. Escrito em 1949, este é um dos mais polêmicos e difíceis textos do autor.

A Falecida

Sob a direção de Marco Antônio Braz, Lucélia Santos vive a suburbana Zulmira, que sonha em ter um enterro de luxo. Casada com Tuninho, ela carrega a intuição de que sua vida será breve e de que uma mulher loira a ameaça.

Senhora dos Afogados

A história de dona Eduarda (Einat Falbel) e Misael (Tony Giusti), que acabam de perder a filha caçula, está intacta. Pedaço de Mim e A Ostra e o Vento, de Chico Buarque, e A Ilha, de Djavan, figuram entre as onze canções inseridas na trama. Interpretadas pelo elenco na companhia de Fernanda Maia ao piano e Luciana Rosa no violoncelo.

Fonte: VEJA SÃO PAULO