Cinema

Dez animações para o público adulto

“Akira”, “South Park” e outros desenhos para ver longe das crianças

Por: Bruno Machado e Tiago Faria

O Gato do Rabino - Cinema - 2284
Cena de "O Gato do Rabino": felino quer se converter ao judaísmo (Foto: Divulgação)

Não é porque é desenho animado que foi feito para o público infantil. Essa máxima vale para algumas animações, inclusive “O Gato do Rabino”, que chega aos cinemas nesta sexta (24).

+ Os melhores filmes em cartaz; veja salas e horários

A fita carrega a bandeira da paz entre os povos, mas o politicamente correto para por aí. O roteiro é cheio de piadas religiosas – a começar pelo felino falante que quer fazer seu bar-mitzvah – e ironias corrosivas. É o que poderia se esperar do diretor Joan Sfarr, que deu o mesmo tratamento anárquico à vida de Serge Gainsbourg em “O Homem que Amava As Mulheres” (2010).

Tire as crianças da sala e confira, a seguir, dez outras animações feitas especialmente para o público adulto.

Cena de Fritz, o Gato
(Foto: Reprodução)

“Fritz – O Gato” (1972)

Primeira animação a receber censura máxima nos Estados Unidos, a adaptação da graphic novel de Robert Crumb se tornou uma das mais importantes (e bem sucedidas) fitas independentes. Sem diluir o humor venenoso do cartunista, o diretor Ralph Bakshi satiriza movimentos políticos e sexuais dos anos 60. Fritz, um gato moderninho, vive um cotidiano em que não faltam drogas e “amor livre”. Numa das primeiras cenas, ele participa de uma orgia com três gatas em uma banheira.

Imagem do filme "Akira"
(Foto: Reprodução)

“Akira” (1988)

Esse filme japonês chamou a atenção da crítica e redefiniu os limites do anime com uma trama complexa. Num visual parecido com “Blade Runner” (1982), de Ridley Scott, a história acompanha uma gangue de motoqueiros em busca de seu amigo Kaneda – raptado para participar de um projeto militar ultrassecreto que confere superpoderes às cobaias.

Cena de Beavis e Butt-Head Conquistam a América
(Foto: Reprodução)

“Beavis and Butt-Head Conquistam a América” (1996)

No desenho da MTV, os adolescentes Beavis e Butt-Head faziam comentários rabugentos (e repletos de grunhidos) sobre os clipes transmitidos pela emissora. O universo dos personagens, não à toa, teve que ser ampliado para justificar um longa-metragem sobre a dupla. O road movie “Sem Destino” e comédias atrevidas como “Porky’s” inspiraram o diretor Mike Judge a escrever a aventura dos amigos para recuperar a televisão, que desapareceu.

Cena do filme South Park
(Foto: Reprodução)

“South Park: Maior, Melhor e Sem Cortes” (1999)

A série vencedora de quatro prêmios Emmy ganhou um filme em 1999. Na absurda trama, a turma que já era desbocada aprendeu novos palavrões depois de assistir a um longa impróprio para menores. Esse é o estopim para que a mãe de Kyle, um dos personagens, declare guerra ao Canadá. Em outra tirada hilária, Saddam Hussein e o diabo vivem como um casal no inferno. A fita concorreu ao Oscar de Melhor Canção por “Blame Canada”.

Waking Life
(Foto: Reprodução)

“Waking Life” (2001)

O diretor americano Richard Linklater (de “Antes do Amanhcer”) acertou ao optar por uma técnica pouco conhecida – a rotoscopia, que converte a performance de atores em animação – para dar vida a uma ideia também incomum. Neste drama filosófico, discutem-se temas como o subconsciente, os sonhos e a loucura. O diretor voltaria ao formato em outro instigante desenho para adultos: “O Homem Duplo”, de 2006.

As Bicicletas de Belleville
(Foto: Reprodução)

“As Bicicletas de Belleville” (2003)

A animação vinda da França caiu nas graças da crítica. Durante o Tour de France – tradicional prova ciclística do país – o jovem Champion é sequestrado. Sua avó e o cachorro Bruno partem, então, em sua busca, indo parar na cidade que dá nome ao filme. Concorreu a dois prêmios Oscar.

Paprika
(Foto: Reprodução)

“Paprika” (2006)

Para quem se perde nos labirintos visuais de David Lynch, cuidado: esta ficção científica japonesa pode oferecer desafios tão complexos quanto. A partir do livro de Yasutaka Tsutsui, o diretor Satoshi Kon imagina um mundo futurista onde psicólogos podem se infiltrar nos sonhos dos pacientes e explorar seus pensamentos. A premissa, aparentemente simples, aos poucos apaga os limites entre alucinação e realidade.

Wood & Stock - Sexo, Orégano e Rock 'n' Roll
(Foto: Reprodução)

“Wood & Stock: Sexo, Orégano e Rock’n’Roll” (2006)

Criações do cartunista Angeli como Wood, Stock, Lady Jane e Rê Bordosa se encontram numa festa hippie neste longa brasileiro. Trinta anos depois, barrigudos e carecas, Wood e Stock ainda tentam se ajustar aos novos tempos. Eles decidem que, para fugir da rotina, devem ressuscitar sua antiga banda de rock. Entre as personalidades que emprestaram suas vozes à animação estão Tom Zé, Lobão e Rita Lee.

Persepolis
(Foto: Reprodução)

“Persépolis” (2007)

Inspirado em uma graphic novel autobiográfica e homônima, “Persépolis” é uma visão da adolescente Marjane Satrapi sobre a Revolução Iraniana, no fim dos anos 1970. Com vozes de Catherine Deneuve e Chiara Mastroianni, foi indicado a cinco prêmios César, venceu o prêmio do Júri em Cannes e foi indicado ao Oscar de Melhor Animação – perdeu para “Ratatouille”.

Cena de Valsa com Bashir
(Foto: Reprodução)

“Valsa com Bashir” (2008)

Muito bem recebida pela crítica no Festival de Cannes, surpreendeu ao apresentar um registro duro e pessoal sobre os horrores da Guerra do Líbano. A trama poderia ter sido filmada como um documentário. Mas a animação garante ao diretor, o israelense Ari Folman, a liberdade de mesclar cenas líricas aos depoimentos de soldados que lutaram com ele no conflito. Indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro.

Fonte: VEJA SÃO PAULO