Memória Paulistana

Alberto Guzik deixa romance inédito

Após internação de 4 meses, dramaturgo faleceu aos 66 anos devido a um câncer no estômago

Por: Alessandro Duarte [Com reportagem de Dirceu Alves Jr., Giovana Romani, Giuliana Bergamo, Maria Paola de Salvo e Mariana Barros] - Atualizado em

Alberto Guzik - 2172
(Foto: Guilherme C.)

O jornalista, dramaturgo e ator paulistano Alberto Guzik dividia as pessoas entre aquelas que amam o teatro e as que nunca o descobriram. Durante toda a sua vida, ele tentou sensibilizar o público para a arte. Com 5 anos, pisou pela primeira vez no palco, em pleno Teatro Municipal, em uma adaptação de ‘Peter Pan’. Fez teatro amador, estudou na Escola de Arte Dramática da USP e, aos 24 anos, tornou-se crítico teatral, função exercida por três décadas. Publicou livros como ‘Paulo Autran: um Homem no Palco’ (1998). O retorno à cena deu-se em 2003, no espetáculo ‘O Horário de Visita’, de Sérgio Roveri. Em seguida, integrou- se à Cia. Os Satyros em montagens como ‘na Praça Roosevelt’ e ‘Inocência’. Depois de quatro meses de internação, devido a um câncer de estômago, Guzik morreu, aos 66 anos, no último dia 26, deixando um romance inédito, ‘Estátua de Sal’. Seu personagem mais recente foi uma desbocada e divertida senhora em ‘Monólogo da Velha Apresentadora’ (imagem acima), do ano passado.

Fonte: VEJA SÃO PAULO