Crise hídrica

Apesar da chuva intensa, nível do Sistema Cantareira cai

De acordo com a Sabesp, o nível do Alto Tietê ficou estável; já os outros reservatórios que abastecem a região metropolitana de São Paulo registraram alta

Por: VEJA SÃO PAULO

cantareira
Sistema Cantareira opera com 7,4% de sua capacidade neste sábado (13) (Foto: Luisa Moura/Folhapress)

Mesmo com a chuva intensa que atingiu a Grande São Paulo na sexta-feira (12), o nível do Sistema Cantareira voltou a cair 0,1 ponto porcentual neste sábado (13), após ficar estável na quinta-feira (11). O reservatório opera com 7,4% da capacidade. O cálculo leva em conta os 105 bilhões de litros da segunda cota do volume morto.

+ Aplicativos ajudam a reduzir gastos no dia a dia

De acordo com a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), a precipitação do dia na região do Cantareira foi de 7,9 milímetros, maior que os 5,3 milímetros de sexta. O acumulado do mês chegou a 30,7 milímetros, o que representa cerca de 14% da média histórica de dezembro.

O nível do Sistema Alto Tietê, que atende 4,5 milhões de pessoas, permaneceu estável com 4,2% da sua capacidade. Segundo a Sabesp, choveu 1,1 milímetro. Já os níveis de todos os outros reservatórios que abastecem a região metropolitana de São Paulo aumentaram.

+ Doze dicas para economizar água na cozinha

O Sistema Guarapiranga, que atende 4,9 milhões na capital e Grande São Paulo, subiu 1,2 ponto porcentual, após ter chovido 38,2 milímetros sobre a área. Nesta sexta-feira (12), o manancial está com 33,4% da sua capacidade, enquanto na sexta-feira registrava 32,2%. Esse é o quarto dia consecutivo com aumento no volume de água do reservatório.

Rio Claro, Alto Cotia e Rio Grande registraram aumentos de 0,2, 0,5 e 1,3 ponto porcentual, respectivamente, e estão com 26,6%, 29,6% e 64% do volume armazenado de água. Juntos, os reservatórios abastecem cerca de 3,5 milhões de pessoas.

A previsão para o fim de semana é de nebulosidade e pancadas de chuva na região metropolitana, segundo a Climatempo.

Fonte: VEJA SÃO PAULO