Comida

Os achados dos mercadões de São Paulo

Endereços para quem quer garimpar bons ingredientes a ótimos preços

Por: Fábio Galib

IRMAOSBORGES-2
O veterano Borges, no Mercado Municipal: bom lugar para comprar queijos, vinhos, azeitonas e patês (Foto: Rogerio Canella)

Endereços imbatíveis para quem quer garimpar bons ingredientes a ótimos preços nos centros decompra populares e em seus arredores.

MERCADO MUNICIPAL

Paraíso das frutas: Pitaia, sapoti, mangostim... Pense numa fruta e você vai encontrá-la aqui. Entre as febres do momento estão o kiwi-ouro (49,99 reais o quilo na banca Sweet Fruits, tel. 3228-1473), da Nova Zelândia, e a uva dedo-de-moça (49,90 reais o quilo na Banca do Juca, tel. 3228-1508). Também não é preciso andar muito para achar noni (32 reais o quilo no boxe Litoral Sul, 3228-4446), cujo suco ganhou fama de emagrecedor. Se alguém oferecer tâmara com morango juntos, não recuse: fica uma delícia, e o “test drive” é grátis.

+ As bancas mais antigas do Mercado Municipal

A rota da paella: A Jamoneria (tel. 3228-2074) não vende só jamón espanhol (110 reais o quilo), como o nome sugere. Lá há bons ingredientes para uma paella, como arroz-bomba (35 reais o pacote com 1 quilo, da marca Rey de Arroces), tempero pronto para a receita (23 reais) e o caríssimo pistilo de açafrão (35 reais o pacote com 1 grama), tudo importado da Espanha. Para comprar os frutos do mar, é difícil escapar da Ki-Peixe (tel. 3325-0066). Enorme, a banca oferece polvo a 45 reais e lula a 30 reais o quilo, ambos de tamanho médio, bem como dez variedades de camarão. Há desde o cinza pequeno (30 reais o quilo) até o pistola gigante (149 reais o quilo), para quem quer esbanjar.

IRMAOSBORGES-21
Borges: azeitonas a 24 reais o quilo da verde graúda (Foto: Rogério Canella)

Clássico é clássico: O Borges (tel. 3311-7733) está no time de veteranos: opera desde 1952. Somam-se nas prateleiras mais de 1 000 itens à venda, como queijos, vinhos e azeitonas (24 reais o quilo da verde graúda). Fazem valer a visita os patês de bacalhau (100 reais o quilo) e cogumelo-de-paris (70 reais o quilo). O Rei dos Cabritos (tel. 3228-3904) é outro clássico da área, tem oitenta anos. Em seu portfólio estão pato, marreco, galinha-d’angola e outras sugestões difíceis de encontrar por aí. O carré de cordeiro, por exemplo, custa 39 reais o quilo do nacional e 79 reais o do uruguaio. Na rede de supermercados St. Marché, o mesmo produto sai por até 128,79 reais.

+ As lojas mais antigas de São Paulo

Boquinha de balcão: Os comerciantes não gostam, é claro, mas hé quem saia de barriga cheia só de beliscar as amostras de degustação oferecidas como cortesia. É melhor reservar o apetite para o que realmente interessa, e não estamos falando dos folclóricos lanches de mortadela nem dos apinhados restaurantes do mezanino. Para um clima de bar, vá até a Casa das Ostras (tel. 3313-4871), que serve os moluscos frescos, vindos de Santa Catarina, por 4 reais a unidade. Para um doce beeem docinho, a Dona Diva (tel. 3326-0489) recheia as vitrines com cocada (5,50 reais) e pastel de nata (5 reais).

› Mercado Municipal de São Paulo. Rua da Cantareira, 306, centro, metrô São Bento. 6h/18h (dom. até 16h).

 

ZONA CEREALISTA

zona cerealista
Camanducaia: castanha-do-pará a granel por 42 reais o quilo (Foto: Mario Rodrigues)

+ Três opções de árvores com enfeites a bons preços no comércio popular

Sem tempo a perder: Há quem classifique a Zona Cerealista como “a 25 de Março das comidas”. Não é à toa. Quem não tem tempo nem paciência de bater perna pode ir direto a uma loja bem estruturada, caso da Camanducaia. Das castanhas a granel, a do pará sai por 42 reais o quilo. Mas, se a busca é por preço mais baixo, vale encarar o sempre muvucado Armazém Santa Filomena. Lá, as nozes com casca saem por 37 reais o quilo.

Coisa fina: Nome forte na importação de bebidas e produtos finos, a Casa Flora mantém uma loja ótima na bagunça do Brás. Sim, é fato que o preço de muitos dos vinhos vendidos ali chega aos quatro dígitos, mas há opções bem mais em conta e constantes promoções — o vinho neozelandês One Tree Merlot 2008, por exemplo, sai de 107,80 por 53,40 reais. Se a ocasião festiva pedir um espumante, leve o francês Veuve du Vernay Ice Rosé, oferecido por 79,75 reais.

Camanducaia. Rua Santa Rosa, 187, Brás, tel. 3312-7555.

Casa Flora. Rua Santa Rosa, 207, Brás, tel. 2842-5199.

Armazém Santa Filomena. Rua Santa Rosa, 100, Brás, tel. 3122-0000.

 

MERCADO DE PINHEIROS

Dá-lhe peixe!: Pequeno, descolado e queridinho dos chefs. Assim é o Mercado de Pinheiros, a poucos passos do Largo da Batata. Entre seus 39 boxes, chama atenção o da Peixaria Nossa Senhorade Fátima (tel. 3032-1221), que vende beijupirá (49,50 reais o quilo), robalo (59 reais o quilo) e vieiras canadenses de encher os olhos de tão carnudas — e fazer suspirar de tão caras: 279 reais o quilo. O grande barato ali é o delivery, pelo qual se paga uma taxa de 10 reais para qualquer canto. Esse mesmo serviço é grátis num raio de 8 quilômetros no Júlia Horti Frutas (tel. 3812-7000), bom lugar para comprar romã (5 a 10 reais a unidade) e figo (8 a 15 reais a bandeja), ideais para uma mesa de Natal.

gonzales029
Comedoria Gonzales: pratos com assinatura do chef boliviano Checho Gonzales (Foto: Fernando Moraes)

Os Andes são aqui: Nem parece que se está em um mercado municipal. Composta basicamente de banquetas altas junto a um balcão, a Comedoria Gonzales (tel. 3813-8719) é toda moderninha. O cardápio, pintado numa lousa na parede, leva a assinatura do chef boliviano Checho Gonzales e tem boas pedidas, como o ceviche feito com o peixe do dia (17 reais ou 20 reais, se acrescido de lula e camarão). Do forno, sai a costelinha suína, que pode vir acompanhada de milho verde cozido com erva-doce (17 reais). Baratinha, a dupla composta de café e bolinho de milho (6 reais) convida a uma pausa nas compras.

+ Os produtos mais baratos das grifes de luxo

Cerveja gelada: O empório de bebidas L'Adega (tel. 3031-1598) vende vinhos, cachaças e cervejas, algumas delas acomodadas em geladeiras para quem quer beber ali mesmo a preço de prateleira, uma beleza! A americana Anchor Steam Beer, de espuma cremosa e amargor pronunciado, custa 21 reais com 355 mililitros. Um pouco mais em conta, a Schornstein Witbier é nacional, tem 500 mililitros e sai por 18,45 reais.

Favas contadas: No boxe de número 1 desde 1979, a Cereais Minúcia (tel. 3031-6800) vende grãos a granel, incluindo aí dezoito tipos de feijão. Merece atenção a variedade de favas, como a branca graúda (22,90 reais o quilo) e a portuguesa (24,90 reais o quilo). É lá também que se compram itens como sal rosa do Himalaia (39,90 reais o quilo). Nos supermercados,um pacote de 90 gramas com moedor sai quase pelo mesmo preço (35 reais).

Quando sai do papel? Eles haviam sido prometidos para julho deste ano, mas os cinco boxes administrados pelo Instituto ATÁ, do chef Alex Atala, bem como o deque do segundo piso, aparentemente estão longe de ficar prontos. Problemas estruturais atrasaram as obras. A entrega agora está prevista para meados de dezembro. A conferir.

› Mercado Municipal de Pinheiros. Rua Pedro Cristi, 89, Pinheiros, metrô Faria Lima. 8h/18h (fecha dom.).

 

MERCADO DE SANTO AMARO

VEIO DA TERRA
Veio da Terra: boxe especializado em produtos orgânicos, vendidos em bandejinhas (Foto: Marco Antonio)

+ As principais atrações natalinas dos shoppings da cidade

Da terra e do mar: Todo arrumadinho, o Mercado de Santo Amaro atrai sobretudo gente do bairro. O Veio da Terra (tel. 5541-7834), boxe especializado em produtos orgânicos, tem bandejinhas de alface-americana (4,50 reais), vagem (6,50 reais) e berinjela (6,50 reais). Na Casa de Carnes OK (tel. 5522-3434), os cortes escolhidos pelo cliente são porcionados e embalados a vácuo na hora da compra (50,90 reais o quilo do filé-mignon). Logo em frente, a Peixaria Anchieta (tel. 5521-2164) tem mais de vinte variedades de frutos do mar e peixes frescos — o pacu, de água doce, sai por 24,90 reais o quilo.

Ascendência germânica: Santo Amaro recebeu a maior concentração de imigrantes alemães da cidade, fato que se reflete no dia adia do mercado. No Empório Singular (tel. 5524-6264) e no Emporium Santo Amaro (tel. 5687-3492), encontram-se guloseimas importadas da Alemanha, como biscoitos de especiarias e pãezinhos de mel glaceados. No fim de ano, é muito comum por lá o calendário do advento: nessa tradição germânica, para cada dia de dezembro, até o Natal, há um pequeno tablete de chocolate. No restaurante Königsallee (tel. 3791-6333), dá para fazer uma pausa e pedir um salsichão de carne bovina fatiado (25 reais).

› Mercado Municipal de Santo Amaro. Rua Padre Joséde Anchieta, 953, Santo Amaro. 8h/19h (fecha dom.).

 

MERCADO DA LAPA

De tudo um pouco: Espécie de versão reduzida do Mercadão Municipal, o Mercado da Lapa tem uma freguesia fiel. O Rei dos Temperos (tel. 3641-4251), por exemplo, é destino certo de quem procura ervas. O boxe oferece mais de 200 variedades, inclusive coisas que pouca gente conhece, como unha-de-gato, dente-de-leão e pata-de-vaca. Ali também são vendidos dois hits: as misturas de temperos “do Edu Guedes” e “da Ana Maria Braga” (3 reais cada pacote, com cerca de 30 gramas). Já o Comercial Vendrame de Carra (tel. 3832-8289) reúne toda sorte de utensílio, decopos a panelas de barro. Tem até aqueles porta-ovos de arame em forma de galinha, típicos de casa de vó, por 12,90 reais o pequeno.

FEIJOADA
Casa da Feijoada: uma das mais procuradas, está na ativa desde 1968 (Foto: Vinicius Tupinamba/Shutterstock)

Para engrossar o caldo: A Casa da Feijoada (tel. 3834-6339) é uma das mais procuradas do mercado para comprar... pertences de feijoada, claro! Na ativa desde 1968, o boxe vende jabá do norte (22 reais o quilo), carne-seca (24,50 reais) e costela suína salgada (9,90 reais). Ainda dá para levar linguiças mineira “apimentada” e caipira “bem apimentada” (7,50 reais o quilo de cada uma). Para quem está em busca de miúdos, o Rei dos Miúdos (tel. 3832-4429) tem fígado, rim e cérebro de boi. O bucho, um dos itens mais procurados, sai por 13,90 reais o quilo.

› Mercado Municipal da Lapa. Rua Herbart,47, Lapa. 8h/19h (sáb. até 18h; fecha dom.).

+ Mais de vinte produtos por até 100 reais na Rua Oscar Freire

Fonte: VEJA SÃO PAULO